O Associativismo como Estratégia de Ressocialização e Gestão nos Assentamentos Rurais em São Paulo

Luis Antonio Barone, Marluse Castro Maciel, Martha Esthela dos Santos Silva, Vera Lúcia Silveira Botta Ferrante

Resumo


Este trabalho, desenvolvido a partir de vários estudos de caso, avalia o alcance das experiências de gestão comum dos recursos econômicos dos assentamentos rurais no Estado de São Paulo. O ganho de longo prazo que o cooperativismo pode representar no desenvolvimento dos assentamentos não se mostra num primeiro momento. Mas, as informações reunidas neste trabalho problematizam a experiência cooperativa nos assentamentos para além do imediatismo de possíveis carências das famílias assentadas. Mesmo em situações nas quais existe uma relativa formação política em prol do coletivismo (caso da Reunidas, em Promissão), a radical separação entre a gestão dos recursos do assentamento e a base social dos trabalhadores se mostra um obstáculo no sentido de se viabilizar a organização cooperativa. Toma como perspectiva o conceito de “desenvolvimento como liberdade” de Amartya Sen e põe, sob crivo analítico, as variações das estratégias associativas nestes espaços socais complexos.

 

 


Palavras-chave


Assentamentos Rurais; Associativismo; Desenvolvimento; Gestão Territorial.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, R. Paradigmas do Capitalismo Agrário em Questão. 2ª

Ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1998.

BARONE, L.A. Assistência técnica aos assentamentos de reforma agrária: da política reativa ao vazio de projeto – o caso do Estado de São Paulo.

Retratos de Assentamentos, Araraquara, Nupedor/Unesp, n.8, Araraquara, 2000.

BARONE, L.A. Conflito e Cooperação: o jogo das racionalidades

sociais e o campo político num assentamento de reforma agrária. 2002.

Tese (Doutorado em Sociologia). Faculdade de Ciências e Letras, Unesp,

Araraquara.

____________ Revolta, Conquista e Solidariedade: a economia moral dos trabalhadores rurais em três tempos. Dissertação (Mestrado em Sociologia). 1996. Faculdade de Ciências e Letras, Unesp, Araraquara.

BERGAMASCO, S.M.P.P.; NORDER, L.A.C. A Alternativa dos

Assentamentos Rurais: organização social, trabalho e política. São Paulo: Terceira Margem, 2003.

DAWBOR, L. O Que é Poder Local. 9ª Ed. São Paulo: Editora Brasiliense.

FERNANDES, B.M. MST: formação e territorialização. São Paulo: Hucitec,

FERRANTE, V.L.S.B.; BARONE, L.A. A difícil semeadura: o trabalho

na terra e a ressocialização das famílias assentadas em projetos de reforma agrária. In: SCOPINHO, R.A. et al. (Orgs.) Velhos Trabalhos, Novos Dias: modos atuais de inserção de antigas atividades laborais. Fortaleza: Edições UFC, 2007.

Vista – Araraquara/SP. Retratos de Assentamentos, Araraquara, Nupedor/Unesp, n.7, 1999.

MARTINS, J. S. Reforma Agrária: O impossível diálogo. São Paulo:

Hucitec, 2000.

NAVARRO, Z. Mobilização sem emancipação: as lutas sociais dos sem terra no Brasil. In SANTOS, B.S. (Org.) Produzir para Viver: os caminhos

da produção não capitalista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

NORDER, L.A.C. Políticas de Assentamentos e Localidade: os desafios

da reconstituição do trabalho rural no Brasil. 2004. Tese (Doutorado em

Ciências Sociais). Universidade de Wageningen, Holanda.

POKER, S.G. A Prática da Vida e os Desencontros da Libertação. 1996.

Dissertação (Mestrado em Sociologia). FFLCH/USP, São Paulo.

Ribas, A.D.; Thomaz Jr., A. O cooperativismo no raio de atuação do

movimento dos trabalhadores rurais sem-terra (MST): uma contribuição para a geografia do trabalho. Revista Geografia em Atos, Presidente Prudente, FCT/UNESP, v.1, n.2, 2000.

ROSIM, L.H. Nas terras da usina, o fazer-se de um assentamento. 1997.

Dissertação (Mestrado em Sociologia). FCL/Unesp, Araraquara.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Cia das Letras,

SILVA, R.A. Assentamentos Rurais na Fazenda Pirituba: parcerias e a

formação de capital social. In: FERRANTE, V.L.S.B.; ALY JUNIOR, O.

(Orgs.) Assentamentos Rurais: impasses e dilemas (uma trajetória de 20

anos). São Paulo: INCRA/Uniara, 2005.

TURATTI, M.C.M. Os Filhos da Lona Preta. Identidade e cotidiano em

acampamentos do MST. São Paulo: Alameda, 2005.

Woortmann , K. Com parente não se neguceia. O campesinato como

ordem moral. Anuário Antropológico, Brasília, UnB, n.87, 1990.




DOI: http://dx.doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2008.v11i1.15

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Revista Eletrônica Retratos de Assentamentos



Revista Retratos de Assentamentos e-ISSN: 2527-2594 

Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.