A feira como um espaço de sociabilidade

Fabiane Dalla Nora, Maria Catarina Zanini

Resumo


Este artigo tem por objetivo apresentar e analisar processos de interação vivenciadas em uma feira de alimentos urbana localizada na cidade de Santa Maria - RS. Por meio de pesquisa etnográfica realizada desde 2013, observa-se que a feira é composta por uma rede de sociabilidade tecida por feirantes e fregueses, que além dos produtos, comercializam saberes e fazeres uma vez que o econômico e o social se complementam e se ligam às histórias de vida dos personagens que compõem esse cenário. A feira se configura um espaço de sociabilidades, de memórias e identificação étnica, além de ser um dia de encontros, de reciprocidades e de comércio.


Palavras-chave


Feira; Sociabilidade; Campesinato

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, Ricardo. Paradigmas do capitalismo agrário em questão.

São Paulo: Hucitec/Anpocs, 1992.

BARTH, F. Grupos Étnicos e suas fronteiras. In: POUTIGNAT, P. Teorias da etnicidade. Seguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrik Barth, Philippe Poutignat, JocelyneStreiff-Fenard. Tradução de Elcio Fernandes. São Paulo: UNESP, 1998.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 2 ed. Rio de Janeiro: Bertrand

Brasil, 1998.

CARNEIRO, Maria José. Ruralidades: Novas identidades em

Construção. Estudo Sociedade e Agricultura, 11, outubro, 1997.

CRUZ, Fabiana Thomé da; MENASCHE, Renata. Do consumo à produção: produtos locais, olhares cruzados. Revista IDEAS (Online), v. 5, p. 91-114, 2011.

DE CERTEAU, Michel et al. A invenção do cotidiano. Vol.2. Morar, cozinhar. 6 ed. Petrópolis: Vozes, 1996.

DOURADO. José Aparecido Lima. Feiras Livres e Reprodução Camponesa: Interfaces da Relação Campo – Cidade. XXI Encontro de Nacional de Geografia Agrária. 2012. Disponível em: Acesso em 20 de agosto de 2014.

GARCIA, Marie France. Feira e trabalhadores rurais/ as feiras do Brejo e do Agreste Paraibano. Tese de doutoramento apresentada ao Programa de Pós Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional UFRJ. Rio de Janeiro: 1984.

GUIMARÃES, Roberli Ribeiro. Feira Camponesa: Instrumento de Luta

e Resistencia das Mulheres Camponesas em Catalão – GO. XIX Encontro Nacional de Geografia Agrária, São Paulo, 2009, pp. 1-15.

KAUTSKY, K. A questão agrária. São Paulo: Nova Cultura, 1986.

LÊNIN, V. O desenvolvimento do capitalismo na Rússia. São Paulo:

Abril, 1982.

MOURA. Margarida Maria. Camponeses. 2 ed. São Paulo. Ática. 1988.

VEDANA, Viviane. Fazer a feira e ser feirante: a construção cotidiana do trabalho em mercados de rua no contesto urbano. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 19, n. 39, p. 41-68, jan./jun. 2013.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. O trabalho do antropólogo: olhar, ouvir, escrever. Revista de Antropologia. São Paulo: USP, v.39, n 1, 1996.

SABOURIN, Eric. Camponeses do Brasil: entre a troca mercantil e a

reciprocidade. Rio de Janeiro, Garamond, 2009.

PALMEIRA, Moacir. Feira e Mudança Econômica. Revista Vibrant, Brasília, 2014.

SANTOS, Paulo Cezar de Holanda. Na Feirinha do Tabuleiro tem: Aspectos da sociabilidade presentes em um ambiente de consumo. Encontro científico Cultural, 2012. Disponível em: Acesso em 20 de agosto de 2014.

SATO, Leny. Processos Cotidianos de Organização do trabalho na feira livre. Psicologia & Sociedade, 19, Edição Especial 1: 95-102, 2007.

SHANIN, Teodor. A definição de camponês: conceituações e desconceituações – o velho e novo em uma discussão marxista. Estudos Cebrap. Trabalho e dominação. São Paulo, Cebrap; Petrópolis, Vozes, 1980.

SIMMEL, Georg. Sociologia: estudos sobres as formas de socialização, MORAES FILHO, Evaristo de. (Org.). Sociologia. São Paulo: Ática, 1983.

SILVA, Tiago Luís Coelho Vaz. Etnografando mercados: trabalho, sociabilidade e lazer no Ver-o-Peso, Somanlu, ano 11, n. 1, jan./jun. 2011. SIQUEIRA, Holgonsi Soares Gonçalves; COLOMÉ, Felipe da Luz. Feira de Economia Solidária: reflexões sobre a relação consumo e cidadania. Encontro Nacional de Estudos do Consumo. 2010. Disponível em: Acesso em 20 de agosto de 2014.

WANDERLEY, Maria N. B. O mundo rural como espaço de vida: reflexões sobre a propriedade da terra, agricultura familiar e ruralidade. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2009.

WANDERLEY, Maria N. B. Raízes Históricas do Campesinato Brasileiro. XX Encontro da ANPOCS. .GT17. Processos Sociais Agrários. Caxambu, MG. Outubro, 1996.

WOLF, Eric. Sociedades camponesas. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

WOORTMANN, Ellen. F. Herdeiros, parentes e compadres. Brasília:

EdUnB, 1995.




DOI: http://dx.doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2015.v18i1.185

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Revista Eletrônica Retratos de Assentamentos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Revista Retratos de Assentamentos e-ISSN: 2527-2594 

Uniara – Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.