Potencial de uso de cercas vivas em assentamento rural: estudo de caso no assentamento Pitanga, Pernambuco, nordeste Brasileiro

Marina de Sá Costa Lima, Laise de Holanda Cavalcanti Andrade, Sonia Maria P. P. Bergamasco

Resumo


Partindo da premissa de que o conhecimento camponês e suas práticas de manejo podem resultar em estratégias multidimensionais que constituem a diversidade de manejo agroflorestal, tais como as cercas vivas, avaliou-se a riqueza de espécies empregadas para construção destas pelos agricultores, seu potencial para outros usos e para um aproveitamento sustentável da flora local. Foi selecionado como modelo para o estudo o assentamento Pitanga, estabelecido no entorno do remanescente de Floresta Atlântica - Área de Preservação Permanente, no Litoral Mata Norte-PE. A área da Cia de Tecido Paulista foi desapropriada pelo INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) em 1988 com o processo de luta pela reforma agrária e 172 famílias foram assentadas. A pesquisa foi realizada através de entrevistas semi-estruturadas, incluindo observação direta, check-list e a técnica de turnê-guiada. São utilizadas 31 espécies para cercas vivas, distribuídas em 26 gêneros e 16 famílias, predominando Euphorbiaceae e Fabaceae. O conhecimento sobre cercas vivas é heterogêneo, concentrado em poucos assentados. O uso dessas espécies nas cercas vivas pode servir a múltiplos propósitos utilitários e ecológicos, constituindo um valioso componente de conservação da flora local e do conhecimento agregado de populações rurais assentadas.


Palavras-chave


Assentamento Rural, Mata Atlântica, Biodiversidade, Etnoecologia, Manejo Sustentável

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, U. P.; LUCENA, R. F. P.; ALENCAR, N. L. Métodos

e técnicas para a coleta de dados etnobotânicos. In: ALBUQUERQUE, U. P.; LUCENA, R. F. P.; CUNHA, L. V. F. C. (Orgs.). Métodos e técnicas na pesquisa etnobotânica. 2.ed. Recife: COMUNIGRAF/NUPPEA, 2008. p.41–72.

ALBUQUERQUE, U.P; ANDRADE, L. H. C. Conhecimento botânico

tradicional e conservação em uma área de caatinga no estado de Pernambuco Nordeste do Brasil. Acta Botânica Brasilica, v.3, n.16, p.273-285, dez/2002. Disponível em: Acesso em: 6 mar. 2014.

ANDRADE, C. T. S.; MARQUES, J. G. M.; ZAPPI, D.C. Utilização de

cactáceas por sertanejos baianos. Tipos conexivos para definir categorias utilitárias. Sitientibus Série Ciências Biológicas (Etnobiologia), Feira de Santana, v.6, p.3-12. 2006.

ANDRADE-LIMA, D de. Plantas das caatingas. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências. 1989. 243 p.

BAGGIO, A. J.; CARPANEZZI, O. B. Alguns sistemas de arborização de pastagens. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo/PR, v.17, p.47-60, dez. 1988.

BARROS, M. S. Cercas sertanejas: traços ecológicos do sertão pernambucano. 2º. ed. Recife: Massangana, 1985. 81 p.

BHATTARAI, S.; CHAUDHARY, R.P.; Taylor, R.S.L. Plants used as

fence and fuelwood in Manang district, central Nepal. Scientific World, v. 5, n.5, p. 107-111. jul. 2007.

BOTERO, R.; RUSSO, R. Utilización de árboles y arbustos fijadores de nitrógeno en sistemas sostenibles de producción animal en suelos ácidos tropicales. In: SÁNCHEZ, M.; ROMA, M.R. (Org.) Agroforestería para la producción animal en Latinoamérica. Estudio FAO sobre producción y sanidad animal, 1999, p. 171-195.

BRECHELT, A. O Manejo Ecológico de Pragas e Doenças. República

Dominicana: Fundação Agricultura e Meio Ambiente (FAMA). Rede de Ação em Praguicidas e suas Alternativas para a América Latina (RAP-AL). 2004.

BUDOWSKI, G. Living fences in tropical América, a widespread agroforestry practice. In: GHOLZ, H. L. (Org.). Agroforestry, realities and potentials. Dordrecht, Ho, Martinus Nijhoff. 1987. p. 169-178.

BYG, A.; BASLEV, H. Diversity and use of palms in Zahamena, eastern Madagascar. Biodiversity and Conservation, v.10, p.951-970, jun. 2001. Disponível em: Acesso em: 11 mar. 2013.

CONDEPE/FIDEM. Agência Estadual de Planejamento e Pesquisas de

Pernambuco. Prefeitura Municipal de Igarassu. 2007. CPRH - Companhia Pernambucana do Meio Ambiente. Diagnóstico Socioambiental do Litoral. Norte de Pernambuco. Recife, [s.n]. 2005.

CPRM - Serviço Geológico Do Brasil. Projeto cadastro de fontes de

abastecimento por água subterrânea estado de Pernambuco: diagnóstico do município de Abreu e Lima. Mascarenhas, J.C. et al. (org.). Recife, CPRM/PRODEEM. 2005.

CUNHA, L.V.F.C.; ALBUQUERQUE, U.P. Quantitative ethnobotany in

an atlantic Forest fragment of northeastern Brazil – implications to conservation. Environmental Monitoring and Assessment, v. 14, p. 1-25, jan. 2006.

DNIT - Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes. Cerca viva ou de tela para proteção da fauna – Especificação de serviço. Norma DNIT 077/2006 – ES. Rio de Janeiro, Diretoria de Planejamento e Pesquisa/IPR. 2006.

DUBOIS, J.C.L; VIANA, V.M.; ANDERSON, A.B. Manual Agroflorestal

para a Amazônia. 1 ed. Rio de Janeiro: REBRAF/Fundação Ford,

228 p.

FERRAZ, E.M.N.; RODAL, M.J.N. Caracterização fisionômica - estrutural de um remanescente de floresta ombrófila montana de Pernambuco, Brasil. Acta Botanica Brasílica, Belo Horizonte, v.4, n.20, p.911-926, dez./2006. Disponível em: .

Acesso em: 29 jul. 2014.

FERREIRA, R.L.C.; LIRA-JÚNIOR, M.A.; ROCHA, M.S.; LIRA, M.A.;

BARRETO, L.P. Deposição e acúmulo de matéria seca e nutrientes em serrapilheira em um bosque de sabiá (Mimosa caesalpiniifolia Benth.). Revista Árvore, Viçosa/MG, v.1, n.31, p.7–12, jan./fev. 2007. Disponível em: . Acesso em: 19 jun.

GLIESSMAN, S.R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura

sustentável. 3ºed. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2005. 653 p.

HARVEY, C.A.; VILLANUEVA, C.; VILLACIS, J.; CHACÓN, M.;

MUÑOZ, D.; LÓPEZ, M; IBRAHIM, M.; GOMEZ, R.; TAYLOR, R.;

MARTÍNEZ, J.; NAVAS, A.; SÁENZ, J.; SÁNCHEZ, D.; MEDINA,

A.; VILCHEZ, S.; HERNÁNDEZ, B.; PÉREZ, A.; RUIZ, F.; LÓPEZ,

F.; LANG, I.; KUNTH, S.; SINCLAIR, F.L. Contribución de las cercas

vivas a la productividad e integridad ecológica de los paisajes agrícolas en América Central. Agroforesteriaenlas Américas, Cidade do México, v.10, n.39/40. 2003. Disponível em: Acesso em: 9 jan. 2015.

MARTIN, F.W. The living fence: its role on the small farm. 1991. [Online]. Disponível em: . Acesso em 23 mai. 2013.

MATOS, L. V.; CAMPELLO, E. F. C.; RESENDE, A. S.; PEREIRA, J.

A. R.; FRANCO, A. A. Plantio de leguminosas arbóreas para produção de moirões vivos e construção de cercas ecológicas. Sistema de Produção, v.3, p.1-10, dez/2005.

MIRANDA, E. M.; VALENTIM, J. F. Estabelecimento e manejo de cercas vivas com espécies arbóreas de múltiplo uso. Acre: Embrapa Acre, 1998. 4 p. (Série Comunicado Técnico INFOTECA-E).

MONTAGNINI, F. et al. Systemas agrolorestales: princípios y aplicaciones en los trópicos. San José: Organización para Estudios Tropicales. 1992.

MORI, S. A.; SILVA, L.A.M.; LISBOA, G.; CORADIN, L. Manual de

manejo do Herbário fanerogâmico. 2° ed. Ilhéus: Centro de Pesquisa do Cacao. 1989. 103 p.

NASCIMENTO, V. T.; SOUZA, L. G.; ALVES, A. G. C.; ARAÚJO, E. L.;

ALBUQUERQUE, U. P. Rural fences in agricultural landscapes and their conservation role in an area of caatinga (dryland vegetation) in Northeast Brazil. Environment, Development and Sustainability (on line), ago/2008. Disponível em: . Acesso em: 25 nov. 2014.

OLIVEIRA, T. K.; ALMEIDA, L. S.; SANTOS, F. C. B.; LESSA, L. S.

Crescimento de mogno e eucalipto como cercas vivas no Acre, Brasil. Revista Brasileira de Agroecologia, Cruz Alta/RS, v.2, n.2, out./2007.

PINTO, E. P. P.; AMOROZO, M. C. M.; FURLAN, E. Conhecimento popular sobre plantas medicinais em comunidades rurais de mata atlântica – Itacaraé, BA, Brasil. Acta Botanica Brasílica, Belo Horizonte, v.4, n.20, p.751–762, out./dez. 2006. Disponível em: Acesso em: 7 dez.2013.

RODRIGUES, M. S.; ROLLO, P.A. Estudo de caso: O mercado de terras rurais na região da zona da mata de Pernambuco, Brasil. v. 2.

Santiago de Chile: Red de Desarrollo Agropecuário. Unidad de Desarrollo Agrícola. División de Desarrollo Productivo y Empresarial. 2000.

SILVA, V.A.; ALBUQUERQUE, U.P.; NASCIMENTO, V.T. Técnicas

para análise de dados. In: ALBUQUERQUE, U.P.; LUCENA, R.F.P.;

CUNHA, L.V.F. C. (org.). Métodos e técnicas na pesquisa etnobotânica. Recife: COMUNIGRAF/Nupeea. 2008. p. 127-143.

TORQUEBIAU, E. Are tropical agroforestry homegardens sustainable? Agriculture Ecosystems and Environment, v.41, p.189–207, 1992. Disponível em:

agroforestry%20home%20gardens%20sustainable.pdf>. Acesso

em: 15 abr. 2013.

VILLANUEVA, C; IBRAHIM, M; HARVEY C.; ESQUIVEL, H. Tipologías

de fincas con ganadería bovina y cobertura arbórea en pasturas en

el trópico seco de Costa Rica. Agroforestería en las Américas, Turrialba (Costa Rica), v.10, p.9-16, 2003. Disponível em: . Acesso em: 28 mai. 2014.

ZAHAWI, R.A. Establishment and Growth of Living Fence Species: An Overlooked Tool for the Restoration of Degraded Areas in the Tropics. Restoration Ecology, Washington (USA), v.1, n.13, p.92-102, mar./2005. Disponível em: Acesso em: 22 set. 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2015.v18i1.191

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Revista Eletrônica Retratos de Assentamentos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Revista Retratos de Assentamentos e-ISSN: 2527-2594 

Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.