Semeando novos tempos? Reforma agrária e agroecologia um diálogo possível e necessário - análise a partir do estudo de caso do PDS Osvaldo de Oliveira no Rio de Janeiro.

David Wigg, Fernanda Maria Vieira, Mariana Trotta D. Quintans, Natália Almeida Souza, Nivia Regina Silva, Raoni Amaral Lustosa

Resumo


O presente artigo busca analisar a experiência de construção do primeiro PDS no Rio de Janeiro, o PDS Osvaldo de Oliveira, em Macaé. Trata-se de uma construção que contou com uma multiplicidade de atores advindos de formações em áreas de conhecimento também múltiplas. E, principalmente, a participação das famílias beneficiárias foi o elemento distintivo nesse processo, na medida em que seus conhecimentos, suas vivências e experiências refletiram a construção do projeto.  Não foi uma participação silenciada, mas dialógica. Ainda há, tanto no espaço acadêmico, quanto nas instituições dos poderes públicos, bem como no sistema judicial, uma visão de que famílias de trabalhadores e trabalhadoras rurais possuem um conhecimento de pouca expressividade e mesmo sem relevância, quando se compara ao saber produzido pelos espaços “ditos competentes”. O artigo pretende apontar para a dinâmica emancipadora da perspectiva agroecológica, visto que a crítica ao modelo hegemônico no que se refere à dimensão da produção x natureza, cujo efeito será a invisibilidade e/ou silenciar de qualquer outra matriz de conhecimento que não reproduza tal legado.


Palavras-chave


Agroecologia; Assentamentos; Cooperação; PDS; Rio de Janeiro; abstract

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, J. Por um novo sentido à prática da agricultura. In:

ALTIERI, M. agroecologia: a dinâmica produtiva da agricultura sustentável. Editora da UFRGS. 5ª ed. Porto Alegre, 2008.

ALTIERI, M. agroecologia: a dinâmica produtiva da agricultura sustentável. Editora da UFRGS. 5ª ed. Porto Alegre, 2008. ALTIERI, M. agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. Expressão Popular, AS-PTA. 3ª ed. São Paulo, Rio de Janeiro. 2012.

AYRES. J.M. et.al. Os corredores ecológicos das florestas tropicais do brasil, Belém-PA: Sociedade Civil Mamirauá, 2005. BRUNO, R. O ethos da propriedade da terra no Brasil. In: LIMA, E.N. de;

DELGADO, N.G.; MOREIRA, R.J. (Orgs). Mundo Rural IV. Configurações rural-urbanas: poderes e políticas. Rio de Janeiro, Mauad X: Edur, 2007.

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. agroecologia: alguns conceitos e princípios. Brasília: MDA/SAF/DATER-IICA. 2004.

DA SILVA, N.R. etnopedologia e qualidade do Solo no assentamento Roseli Nunes, Piraí-RJ/ Nivia Regina da Silva-Florianópolis, 2010. Dissertação (Mestrado Profissional em Agroecossistemas) – Universidade Federal de Santa Catarina , Centro de Ciências Agrárias.

EHLERS, E. o que é agricultura sustentável. Coleção primeiros passos. São Paulo: Editora e livraria Brasiliense, 2008.

GLIESSMAN, S. R. agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. Porto Alegre: UFRGS, 2000.

GROSSI, P. História da propriedade e outros ensaios. Rio de Janeiro: Renovar, 2006.

GÚZMAN, S. A perspectiva sociológica em Agroecologia: uma sistematização de seus métodos e técnicas. agroecologia e desenvolvimento Rural Sustentável. Porto Alegre, v.3, n.1, p.19-28, jan./mar.2002.

GUZMÁN, E. S. uma estratégia de sustentabilidade a partir da agroecologia. Porto Alegre, v.2, n.1, jan./mar. 2001 . INCRA. MDA. laudo agronômico de Fiscalização da Fazenda bom Jardim, Macaé-RJ, Rio de Janeiro, 2006. INCRA. MDS. cartilha Projeto de desenvolvimento Sustentável, 2006. JACOB, L. universidade, entre agroecologia e agronegócio. São Paulo: 2013. Disponível em . Acesso em: 28 nov. 2013.

LANDER, E. ciências sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. Edgardo Lander (Org.). a colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas.. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. pp.21-53. Set. 2005. Acessível em http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/lander/pt/Lander.rtf

OLIVEIRA, C.; SOUZA, P. M. Criações e Contradições capitalistas no território: o fenômeno da pluriatividade no Norte Fluminense. IV Seminário Internacional sobre Desenvolvimento Regional – UNISC, Rio Grande do Sul, 2015. In: anais..., Rio Grande do Sul, 2015.

PEREIRA, J. R.; LITTLE, P. E. DRPE – diagnóstico Rápido Participativo emancipador: a base para o Desenvolvimento Sustentável dos Assentamentos de Reforma Agrária. Brasília. 2000. (mímeo).

PRIMAVESI, A. O solo: a base da vida em nosso globo. Fazenda Ecológica, Itaí, São Paulo. 2001. BALEM, T. A.; SILVEIRA, P. R. agroecologia: Além de uma Ciência, um Modo de Vida e uma Política Pública. UFSM. 2007. Disponível em: , Acesso em 28/12/2013.

SPIVAK, G.C. Pode o subalterno falar? Minas Gerais: UFMG, 2010. STURM,C.E.P. Portaria/INcRa/da/N° 308/2008, Processo 5418000172/2005-69; Rio de Janeiro, 2006.

VANDERMEER, J. The ecological basis of alternative agriculture. annual Review of ecological Systems, v.26, 1995.




DOI: http://dx.doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2016.v19i1.202

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Eletrônica Retratos de Assentamentos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Revista Retratos de Assentamentos e-ISSN: 2527-2594 

Uniara – Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.