Reconstruindo Memórias Traumáticas: Camponeses e o Regime Militar

Marta Cioccari

Resumo


Por meio de trajetórias de camponeses perseguidos, presos, torturados e assassinados, pode-se conhecer um tanto da singularidade da repressão ocorrida no campo no período compreendido entre 1962 e 1985, quando as violações contaram com a cobertura e o estímulo oficial, a partir de compromissos de classe que aliavam grandes proprietários de terra e empresários rurais ao governo militar. A lei da violência que caracterizava as práticas privadas vinha ao encontro dos interesses do regime a fim de barrar a organização crescente dos trabalhadores do campo. O presente
artigo descreve o percurso de uma pesquisa, conduzida desde 2010, sobre as violências sofridas pelos trabalhadores no campo durante o regime militar no Brasil. Posteriormente, com as investigações realizadas pela Comissão Nacional da Verdade, pelas comissões locais e setoriais, e, especialmente, pela Comissão Camponesa da Verdade, desvendou-se novas facetas das violências praticadas contra os camponeses no período que antecedeu ao golpe e nos anos de ditadura militar, mas tais violações de direitos humanos sofridas por camponeses ainda são pouco reconhecidas pela sociedade e pelo Estado brasileiro.


Palavras-chave


Camponeses; repressão; regime militar; memórias, trajetórias.

Texto completo:

PDF

Referências


BARREIRA, Cesar. Trilhas e atalhos do poder. Conflitos sociais no Sertão. Rio de Janeiro: Editora Rio Fundo, 1992.

BARROS, Francisco Blaudes Sousa. Japuara, um relato das entranhas

do conflito. Brasília: MDA/SDH, 2013.

BERNARDES, Denis. Octávio Ianni e a questão Nordeste. In: LIMA,

Marcos Costa (Org.). A sociologia crítica de Octávio Ianni: uma

homenagem. Recife: UFPE, 2005, p.40-41.

BEZERRA, Gregório. Memórias. Rio de Janeiro: Boitempo, 2011.

CAPELATO, Maria Helena Rolim. Ditaduras do Cone Sul: memórias

traumáticas e conflitos de memória. In: Montenegro, Antonio Torres e outros (org.). História: cultura e sentimento. Outras histórias do Brasil. Cuiabá e Recife: Ed. UFMT e Ed. Universitária UFPE, 2008.

CAMARANO, Márcia. João Sem Terra, veredas de uma luta. Brasília:

MDA, 2012.

CARNEIRO, Ana; CIOCCARI, Marta. Retrato da Repressão Política no

Campo: Brasil 1962-1985. Camponeses torturados, mortos e desaparecidos. Brasília: MDA, 2011.

CARNEIRO, Ana; CIOCCARI, Marta. Retrato da Repressão Política no

Campo: Brasil 1962-1985 - Camponeses torturados, mortos e desaparecidos. Brasília: MDA, 2010.

CIOCCARI, Marta. Narrativas da repressão: trabalhadores do campo e das minas durante o regime militar no Brasil. Revista Teoria e Cultura, Juiz de Fora, v. 6, n. 1 e 2, p. 25 a 44, jan./dez. 2011.

CIOCCARI, Marta; DELLA TORRE, Djane. Introdução: Blaudes, o camponês reconta a história. In: BARROS, Francisco Blaudes Sousa.

Japuara, um relato das entranhas do conflito. Vol. 2 da Coleção ‘Camponeses e o Regime Militar’. 1. ed. Brasília: MDA/SDH, 2013.

CIOCCARI, Marta. Os trabalhadores rurais e o regime militar no Brasil. In: Mattos, Marcelo Badaró; Vega, Rubén. (Org.). Trabalhadores e ditaduras: Brasil, Espanha e Portugal. Rio de Janeiro: Consequência, 2014, p. 153-174.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NA AGRICULTURA, CONTAG. As lutas camponesas no Brasil. 1980. Rio

de Janeiro: Marco Zero, 1981.

CYRULNIK, Boris. Autobiografia de um espantalho: histórias de

resiliência. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

FIGURELLI, M. Fernanda. Sociabilidades, direitos e cabeças raspadas; reconstruções de experiências sindicais rurais. In: LEITE LOPES, José Sergio; CIOCCARI, Marta (Orgs.). Narrativas da Desigualdade: memórias, trajetórias e conflitos. Rio de Janeiro: Mauad, 2013, p. 77-103.

JULIÃO, Francisco. Que são as Ligas camponesas? Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1962.

KOURY, Mauro. Práticas instituintes e experiências autoritárias: o

sindicalismo rural na mata pernambucana, 1950-1974. 2010. 370 f. Tese (Doutorado em Sociologia), Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2010.

MADEIRA, Raimundo. Gênese sindical sob a marca da repressão. O Povo. Fortaleza, Ceará, terça-feira, 20 abr. 2004, p. 4.

MOVIMENTO dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Assassinatos no

campo, crime e impunidade: 1964-1986. São Paulo: Global Editora, 1987.

OLIVEIRA, Papito de (org.). Vozes silenciadas. Fortaleza: Imprensa

Universitária, 2009.

PALMEIRA, Moacir. Desmobilização e conflito: Relações entre

trabalhadores e patrões na agroindústria pernambucana. Revista de Cultura e Política, v.1, n.1, p. 41-56, 1979.

RELATÓRIO FINAL da Comissão Nacional da Verdade. Brasília, 2014.

SANTOS, Manoel da Conceição. Chão da minha utopia. Belo Horizonte: ED. UFMG, 2010.

SARTI, Cynthia. A vítima como figura contemporânea. Caderno CRH,

Salvador, Vol. 24, n.61, p.51-61, jan/abr. 2011.

SIRONI, Françoise. Borreaux et victimes: psychologie de la torture. Paris: Ed. Odile Jacob, 1999.

VIANA, Gilney. Camponeses Mortos e Desaparecidos: Excluídos da

Justiça de Transição. Brasília: SDH, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2015.v18i2.214

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Eletrônica Retratos de Assentamentos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Revista Retratos de Assentamentos e-ISSN: 2527-2594 

Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.