A luta pela Terra na Região de Ribeirão Preto: o Processo de Formação e Organização do Assentamento Mário Lago

Dorival Borelli Filho, Vera Lúcia Silveira Botta Ferrante

Resumo


O presente estudo de caso propõe-se a analisar o processo formação do
assentamento Mário Lago, bem como o seu modelo de organização social e de
produção. Para a coleta de dados junto às famílias, foram empregadas técnicas
qualitativas de pesquisa (entrevista semi-estruturada), além de dados quantitativos colhidos junto ao Incra. O assentamento originou-se a partir de uma ocupação de terras liderada pelo MST no ano de 2003. Atualmente, o assentamento é constituído por 264 famílias, subdividido em 20 núcleos de moradia, que agregam de 10 a 20 famílias. Para cada núcleo, existe um coordenador e uma coordenadora geral, cujas responsabilidades são as orientações e a organização de cada núcleo. Simultaneamente a essa organização, existem coordenadores, de ambos os gêneros, que são responsáveis pelos seguintes setores: segurança, saúde, educação, ciranda
infantil, esporte, cultura e lazer, jovens e produção. A ausência de políticas públicas no assentamento, nas áreas de saneamento básico, saúde, educação, coleta de lixo e transporte público vêm gerando permanentes conflitos entre as famílias assentadas com o poder público local. O movimento vem utilizando a área nos moldes da agricultura orgânica, pretendendo construir um cinturão verde que garanta o fornecimento desses produtos para o município de Ribeirão Preto.


Texto completo:

PDF

Referências


BRENNEISEN, E.C. Relações de Poder, Dominação e Resistência: A

Organização Social e da Produção em Assentamentos Rurais na Região Oeste do Paraná. 2000. 280 p. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Pontifícia Universidade Católica (PUC/SP), São Paulo.

CARMO, M.S. do. Desenvolvimento Territorializado: assentamentos rurais e

agroecologia. In: FERRANTE, V.L.S.B.; ALY JÚNIOR, O. (Orgs.) Assentamentos Rurais: impasses e dilemas uma trajetória de 20 anos. São

Paulo: INCRA; Araraquara: Uniara, 2005, p. 219-234.

FERNANDES, B.M. O MST e os desafios para a realização da reforma agrária no governo Lula. OSAL, Buenos Aires, ano IV, n.11, p.31-40, maio/ago, 2003.

________. 27 anos do MST em luta pela terra. In: FERRANTE, V.L.S.B.;

WHITAKER, D.C.A. (Orgs.) Reforma Agrária e Desenvolvimento: desafios e rumos da política de assentamentos rurais. Brasília: MDA; Araraquara: Uniara, 2008, p. 27-52.

FERRANTE, V.L.S.B. A proletarização não tem cartas marcadas: a terra no horizonte dos bóias-frias. Revista Reforma Agrária, Campinas, v.22, n.3, p.16-23, 1992.

FERRANTE, V.L.S.B. et al. Reforma agrária e "desenvolvimento como

liberdade": Uma nova visão sobre os assentamentos rurais do estado de São Paulo. Retratos de Assentamentos, Araraquara, Nupedor/Unesp-Uniara, n.10, p.19-43, 2006.

GONÇALVES, C.W.P. A Nova Questão Agrária e a Reinvenção do Campesinato: o caso do MST. OSAL, Buenos Aires, ano VI, n.16, p.23-34, jan/abr, 2005.

GONÇALVES, J.C.; SCOPINHO, R.A. Conflitos e negociações em projetos de desenvolvimento rural sustentável: o caso do assentamento Mário Lago - Ribeirão Preto (SP). Fórum de Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente: políticas, legislação e gestão ambiental, 2008, Araraquara/SP. In: Anais..., Araraquara/SP, 2008. CD-ROM.

GIRARDI, E.P. Atlas da Questão Agrária Brasileira. Presidente Prudente:

UNESP, 2008.

INCRA. Guia da Reforma Agrária em São Paulo - Introdução às Questões

Agrárias e Fundiárias do Estado de São Paulo. São Paulo: INCRA - SP, 2005.

LAZZARETTI, M.A. A Produção da Ação Coletiva no Movimento dos

Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e o Papel das Lideranças. 2008.

MITIDIERO, M. A. Jr. As Contradições da Luta Pela Terra: o caso do

Movimento de Libertação dos Sem Terra. 2002. Dissertação. (Mestrado em Geografia Humana). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

MORISSAWA, M. A História da Luta pela Terra e o MST. São Paulo:

Expressão Popular, 2001.

NAVARRO, Z. Sete teses equivocadas sobre as lutas sociais no campo: o MST e a reforma agrária. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v.11/12, p.86-93, abr/jun, 1997.

________. "Mobilização sem emancipação" - as lutas sociais dos sem-terra no Brasil. In: SANTOS, B. de S. (Org). Produzir para Viver. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002, p. 189-232.

SOUZA, V.F. de; BERGAMASCO, S.M.P.P. A presença do MST e da

Comcamp nos assentamentos São Bento e Santa Clara/Che Guevara. Retratos de Assentamentos, Araraquara, n.10, p.143-155, 2006.

TURATTI, M.C.M. Os Filhos da Lona Preta: identidade e cotidiano em

acampamentos do MST. São Paulo: Alameda, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2009.v12i1.60

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Revista Eletrônica Retratos de Assentamentos



Revista Retratos de Assentamentos e-ISSN: 2527-2594 

Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.