Agricultura Tradicional e Transição agroecológica em Assentamentos rurais no Entorno da Reserva biológica de Poço das Antas (RJ)

Leonardo Vicente Rivetti, Luiz Antonio Cabello Norder

Resumo


O artigo tem o objetivo de analisar o processo de transição agroecológica em assentamentos e acampamentos de reforma agrária no entorno da Reserva Biológica de Poço das Antas, município de Silva Jardim, Rio de Janeiro. Foi adotada uma perspectiva temporal entre os anos de 2000 e 2012para entender a relação da agricultura tradicional com as propostas de transição em curso. A pesquisa, de caráter qualitativo, foi baseada na análise de um estudo de caso, na qual o diálogo estabelecido com as famílias assentadas e técnicos extensionistas possibilitou analisar as iniciativas, projetos e políticas voltadas à promoção da transição agroecológica. O processo de transição analisado ainda está muito centrado nos fatores agrícolas, baseado na introdução de práticas ecológicas nos sistemas de produção. Mas o estudo também permitiu compreender as motivações e o envolvimento dos atores na construção de uma proposta de desenvolvimento socioambiental e econômico no contexto específico dos assentamentos.


Palavras-chave


Transição agroecológica; agricultura tradicional; assentamentos rurais.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, L. S. de. A construção social da relação com o meio ambienteentre agricultores familiares da Floresta Atlântica Brasileira.Araraquara: IMOPI. (2005). 147p.

ALENTEJANO, P. R. R. A evolução do espaço agrário fluminense.Geographia, Rio de Janeiro, nº 13, p. 51, 2005(b).

ALENTEJANO, P. R. R. Luta por terra e reforma agrária no Rio de Janeiro.Revista eletrônica da Associação dos Geógrafos Brasileiros, Niterói,ano 1, jan./jun. 2005(a).

ALMEIDA, S. G. de; PETERSEN, P.; CORDEIRO, A. Crisesocioambiental e conversão ecológica da agricultura brasileira:subsídios à formulação de diretrizes para o desenvolvimento agrícola. ed.1ªRio de Janeiro: AS-PTA, 2001. 122 p.

ALTIERI, M. A. Linking ecologists and traditional farmers in the search forsustainable agriculture. Frontiers ecology environment. v. 2 nº 1.Department of Environmental Science, Policy and Management. University ofCalifornia – Berkeley, CA. 2004. p. 35-41.

ALTIERI, M; TOLEDO, V. M. Lá Revolución agroecológica enlatinoamérica. SOCLA, Sociedad Cientifica LatinoAmericana deAgroecologia, 2011. Versión al español del artículo: Altieri, M. & V.M.Toledo. The agroecological revolution of Latin America - rescuing nature,securing food sovereignity and empowering peasants. The Journal ofPeasant Studies, vol. 38, No. 3, July 2011, 587-612.

BRANDEMBURG, A. Do rural tradicional ao rural socioambiental.Ambiente & Sociedade, Campinas, v. 8, nº. 2, p.417-429, jul/dez, 2010.

BRASIL, Lei da Mata Atlântica: Lei nº 11.428, de 22 de dezembro de2006 e Resolução CONAMA nº 388, de 23 de fevereiro de 2007. Cadernosda Reserva da Biosfera da Mata Atlântica. Série Políticas Públicas; Nº 33.Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica CN-RBMA,São Paulo, 2007, p. 54.

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. C. Agroecologia e extensãorural: contribuição para a promoção do desenvolvimento ruralsustentável. Brasília, DF: MDA/SAF/DATER - 2007.

CARMO, M. S. do. Pensar e agir localmente: a mediação para a transiçãoagroecológica, um caminho possível para assentamentos rurais. Retratos deAssentamentos, Araraquara/SP, v. 14, n. 1, p.305-322, 2011.

COSTA NETO, C. Agricultura não-convencional, biodiversidade esustentabilidade: a alternativa agroecológica. In: FROEHLICH, José M. eDIESEL, Vivien (org.). Desenvolvimento Rural, tendências e debatescontemporâneos. Ijuí: Editora Unijuí. 2006.

COSTABEBER, J. E; MOYANO, E. Transição agroecológica e ação socialcoletiva. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, PortoAlegre, vol. 1, nº 4, p. 50-60, out/dez, 2000.

DEITENBACH, A. Políticas Públicas para Sistemas Agroflorestais na MataAlântica. In: May, P. H. & Trovatto, C. M. M. (Coord.). Deitenbach, A. et al.(orgs.). Manual Agroflorestal para a Mata Atlântica. Brasília: Ministériodo Desenvolvimento Agrário, Secretaria de Agricultura Familiar, 2008, 196 p.

GLIESSMAN, S. R. Agroecologia: processos ecológicos em agriculturasustentável. Porto Alegre: Editora da Universidade – UFRGS, 2000.

GONÇALVES, A. L. R; MODEL, A. B. Motivações para a transiçãoagroecológica no litoral norte do Rio Grande do Sul. Revista Agriculturas:experiências em agroecologia, Rio de Janeiro, v. 3, n. 3, p.12-14, 01 out. 2006.

HAGETTE, T. M. F. Metodologias qualitativas na Sociologia. RevistaBrasileira Estudos Pedagógica, Brasília, vol. 75, pág. 373-394, Jan./Dez.1994.

HECHT, S. A evolução do pensamento agroecológico. RevistaAgroecologia e Desenvolvimento. CLADES, Rio de Janeiro, v.1, n.1,1994.

KENSKI, V. M. Aprendizagem mediada pela tecnologia. Revista DiálogoEducacional, Curitiba, v. 4, nº. 10, p. 47-56, 2003.

LAMARCHE, Hughes. A Agricultura Familiar: Comparação Internacional- Uma Realidade Multiforme. Campinas: Editora da Unicamp, 1993.

LOPES, A. S; GUILHERME, L. R. G; SILVA, C. A. P. da. Vocação daTerra. São Paulo: Associação Nacional Para Difusão de Adubos, 2003.

MATTOS, C. Expressões Agroecológicas partir de PercepçõesSocioambientais da Agricultura Tradicional e Camponesa em Paraty-RJ. 2011. 160 p. Dissertação (Mestrado) - Universidade FederalFluminense, Niterói, 2011.

MOREIRA, R. M; CARMO, M. S. do. Agroecologia na Construção doDesenvolvimento Rural Sustentável. Revista Agriculturas, São Paulo, v. 51,n.02, p.37-56, 01 jul. 2004.

PETERSEN, P.; SOGLIO, F. K. Dal; CAPORAL, F. R. A construção deuma Ciência a serviço do campesinato. In: PETERSEN, Paulo (Org.).Agriculturas: experiências em agroecologia, Rio de Janeiro. AS-PTAAgricultura Familiar e Agroecologia, p.85-104, 2009.

PLOEG, J. D. On Rurality, Rural Development and Rural Sociology. Images andRealities of Rural Life. In: de HAAN, H.; LONG, N. (org.) Perspectives onRural Transformations. Wageningen, Van Gorcum, Assen 1997. p. 39-73.

REMMERS, G. G. A. Agricultura Tradicional y Agricultura ecológica: vecinosdistantes. Agricultura Y Sociedad, Córdoba, nº 66, p. 201-220, 1993.

SCHMITTI, C. J. Transição Agroecológica e Desenvolvimento Rural: umolhar a partir da experiência brasileira. In: Sérgio Sauer e Moisés VillamilBalestro (Orgs). Agroecologia e os desafios da transição agroecológica.São Paulo: Expressão Popular, 2009. 328p.

SOUZA, M. R. P. F. de. Interação entre o Tradicional e o Científico naConstrução do Conhecimento Agroecológico: o caso de agricultores deCasimiro de Abreu e Silva Jardim - RJ. (Dissertação Mestrado). Rio deJaneiro: UFRJ/COPPE, 2009.

TOLEDO, V.M. The ecological rationality of peasant production. In: M.Altieri and S. Hecht, eds. Agroecology and Small Farmer Development.CRC Press, 1990. p. 51-58.

TOLEDO, V.M BARRERA-BASSOLS, N. La Memoria Biocultural: laimportância ecológica de las sabidurías tradicionales. Barcelona:ICARIA Editorial, 2008.

WANDERLEY, M. N. B. Raízes históricas do campesinato Brasileiro.In: ANAIS DO 20º Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (ANPOCS). Caxambú, 1996. SP.

WUNDER, S. (coord.); BÖRNER, J.; RÜGNITZ TITO, M.; PEREIRA, L.Pagamentos por serviços ambientais: Perspectivas para a AmazôniaLegal. Brasília: Ministério do Meio Ambiente - MMA, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2014.v17i2.166

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Revista Eletrônica Retratos de Assentamentos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Revista Retratos de Assentamentos e-ISSN: 2527-2594 

Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.