Pouco tempo de Arraes: sindicalização rural e o direito de reclamar

Bernard José Pereira Alves

Resumo


O breve primeiro Governo de Miguel Arraes em Pernambuco (1963-1964) – interrompido pelo golpe militar de 1964 – foi marcado pela ampliação e fortalecimento dos sindicatos de trabalhadores rurais. O presente artigo se concentra em explorar como o governo fomentou a consolidação desses espaços como alternativa de se fazer presente dos debates acerca dos problemas enfrentados pelas populações rurais no Brasil. Num contexto fortemente marcado pela presença e atuação pregressa das Ligas Camponesas, Arraes teve de encontrar formas de imprimir suas marcas de atuação no campo. A aplicação do Estatuto do Trabalhador Rural, datada dos primeiros meses de 1963, consolidou-se como uma das principais referências dessa ação. Ao expandir os sindicatos e o acesso aos direitos no campo, o governo do estado acabou ampliou os canais de demanda, criando o “direito de reclamar” por parte de um grupo que historicamente se via alijado dessa condição.


Palavras-chave


Governo Miguel Arraes; Pernambuco, Sindicalização Rural

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, M. C. Lutas Camponesas no Nordeste. 2. ed. São Paulo:

ed. Ática, 1986. 64 p.

ARRAES, M. Mensagem à Assembléia Legislativa. Recife: Governo do

Estado, 1963.

___________.Mensagem à Assembléia Legislativa. Recife: Governo do Estado, 1964.

AZEVEDO, F. A. As Ligas Camponesas. Rio de Janeiro: ed. Paz e Terra, 1982.

ALVES, B. J. P. A Política Agrária de Leonel Brizola no Rio Grande do

Sul: Governo, Legislação e Mobilização. 2010. 86 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade). Programa de Pós Graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro-CPDA/UFRRJ, Rio de Janeiro. 2010.

ALVES, B. J. P. Na lei e na marra: sociogênese das formas de luta pela terra, 1950-1964. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Programa de Pós- Graduação em Ciências Sociais, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas - IFCH/Unicamp, Campinas, 2015.

BARROS, A. Ascensão e Queda de Miguel Arraes. Rio de Janeiro: ed.

Equador, 1965. 173 p.

BASTOS, E. R. As Ligas Camponesas. Petrópolis: Vozes, 1984. 144p.

BEZERRA, M. Memórias, segunda parte: 1946-1969. Rio de Janeiro:

Civilização Brasileira, 1980.

BRASIL, J. Arraes, o Fazedor de Homens Livres. Primeiro ano da revolução Pernambucana. São Paulo: Fulgor, 1964. 101p.

CALLADO, A. Tempo de Arraes: a revolução sem violência. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980. 183 p.

CAMARGO, A. A Questão Agrária: crise de poder e reformas de base

(1930-1964). Rio de Janeiro: Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil - INDIPO/FGV,1979.

CANTARINO, G. 1964: A Revolução para Inglês ver. Rio de Janeiro:

Mauad, 1999. 159 p.

CAVALCANTI, P. O Caso Eu Conto Como Foi: da Coluna Prestes à

queda de Arraes. São Paulo: Alfa-Omega, 1978. 412 p.

DABAT, C. P. Y. R. Moradores de Engenho: Estudo sobre as relações de trabalho e condições de vida dos trabalhadores rurais na zona canavieira de Pernambuco, segundo a literatura, a academia e os próprios atores sociais. 2003. 668 f. Tese (Doutorado em História). Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Pernambuco, Recife: UFPE, 2003.

______Uma “caminhada penosa”: A extensão do Direito trabalhista à zona canavieira de Pernambuco. Clio - Série Revista de Pesquisa Histórica, n. 26-2, p. 291-320, 2008.

JULIÃO, F. Bença Mãe. Mimeo, 1963.

KOURY, M. G. P. Práticas instituintes e experiências autoritárias. O

sindicalismo rural na mata pernambucana, 1950 – 1974. 2010. 370 f. Tese (Doutorado em Sociologia). Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal de São Carlos-UFSCar, São Carlos, 2010.

MEDEIROS, L. S. História dos Movimentos Sociais no Campo. Rio de

Janeiro: Fase, 1989.

MONTARROYOS, C. O Tempo de Arraes e o Contratempo de Março.

Rio de Janeiro: Folha Carioca, 1982. 135 p.

PRADO JR, C. A Questão Agrária. 1 ed. São Paulo: Brasiliense,1979.

p.

RAMOS, C. Capital e Trabalho no Sindicalismo Rural Brasileiro: uma análise sobre a CNA e sobre a CONTAG (1964 -1985). 2011. Tese (Doutorado em Antropologia). Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Universidade Federal Fluminense-UFF, 2011.

STEIN, L.M. Trabalhismo, Círculos Operários e Política: A construção

do sindicato de trabalhadores agrícolas no Brasil (1954 a 1964). São

Paulo: Annablume; FAPESP, 2008. 218 p.

TAVARES, C; MENDONÇA, F. Conversações com Arraes. Belo Horizonte: Vega, 1979. 138 p.

WELCH, C. A semente foi plantada: as raízes paulistas do movimento sindical camponês no Brasil (1924-1964). São Paulo: Expressão Popular, 2010. 480 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2015.v18i1.195

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Revista Eletrônica Retratos de Assentamentos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Revista Retratos de Assentamentos e-ISSN: 2527-2594 

Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.