Na Esteira da Ilegalidade: Analise das Relaçoes Jurídicas nas Formas de Apropriação da Terra no Assenta Mento da Fazenda Reunida em Promissão

Maria Elena Miranda

Resumo


O presente artigo trata de um Assentamento Rural na cidade de Promissão em São Paulo, constituído em 1986. A pesquisa procurou abordar os modos de apropriação das terras no assentamento como terra camponesa em suas múltiplas formas, as quais chamei de pluriapropriação. As condições de apropriação e transmissão da terra no assentamento se davam em desacordo com a normatização que rege os programas de assentamentos rurais no país, tornando os assentados “fora da lei”. São considerados ilegais o arrendamento de terra, o fracionamento do lote, o exercício de atividades assalariadas pelos titulares e a comercialização dos direitos de posse. O inquérito instaurado pelo Incra, transformado em processo administrativo, constatou que as transações de venda e transmissão de direitos no assentamento de Promissão, realizadas até 1998, eram irregulares. Algumas delas foram regularizadas, considerando que o perfil dos compradores atendia às exigências legais, mesmo que as transações não as tivessem atendidas. No entanto, a pesquisa demonstrou que as “vendas irregulares”, muitas vezes, atendiam as necessidades de reprodução social dos assentados, uma vez que os lotes comprados eram destinados aos filhos dos assentados que lá permaneciam.


Palavras-chave


Pluriapropriação; Apropriação da Terra; Camponês; Assentamento; Transmissão da Terra.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, R. Paradigmas do capitalismo agrário em questão, Rio de Janeiro/São Paulo/Campinas, ANPOCS/Hucitec/Editora da Unicamp/, 1992.

BOURDIEU, P. Célibat et condition paysanne. IN: Etudes rurales, Paris, 1973.

___________. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand, 1989.

___________. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1992.

___________. Razões práticas. Sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1994.

CÂNDIDO, A. Os parceiros do Rio Bonito, 9.ed., São Paulo: Duas Cidades, 2001.

D’AQUINO, T. ET AL. Nas terras de Promissão: da luta à construção do lugar. Retratos de Assentamentos, Araraquara, v.1, UNESP/CNPq, 1994.

D’INCAO, M. C. de M. A experiência dos assentamentos: contribuição ao debate político da Reforma Agrária. Revista Lua Nova, São Paulo, n. 23, 1991.

D’INCAO, M. C. de M. O bóia-fria, acumulação e miséria. Petrópolis/ RJ: Vozes, 1975.

DAVIS, S. H. (org.) Antropologia do Direito. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

DURHAN, E. R. A caminho da cidade, 2.ed. São Paulo: Perspectiva, 1978.

FARIA, J. E. Eficácia jurídica e violência simbólica. O direito como instrumento de transformação social. São Paulo: Edusp, 1988.

IOKOI, Zilda G. As lutas camponesas no Rio Grande do Sul e a formação do MST. IN: Revista Brasileira de História, n. 22, ANPUH/Marco Zero/ Fapesp/CNPq, mar.-ago. 1991.

MARTINS, J.de Souza. Capitalismo e tradicionalismo. São Paulo: Pioneira, 1975.

________________. (ORG.) Travessias: a vivência da reforma agrária nos assentamentos. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003.

MAUSS, M. Ensaios de Sociologia. São Paulo: Perspectiva, 1981.

MENDRAS, H. Sociedades camponesas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

MERRY, S. E. Legal Pluralism. IN: Law & Society Review, v. 22, n. 5, 1988.

MONBEIG, P. Pioneiros e Fazendeiros de São Paulo. São Paulo: Hucitec, 1984.

MOORE, S. F. Law as Process. Anthropological Aprroach, Oxford, Lit Verlag and James Currey, 2000.

MOURA, M. M. Os herdeiros da terra. São Paulo: Hucitec, 1978.

___________. Os deserdados da terra. Rio de Janeiro: Bertrand, 1988.

PAOLIELLO, R. M. Conflitos Fundiários na Baixada do Ribeira: a posse como o direito e estratégia de apropriação, Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). IFCH-Unicamp, Campinas, 1992.

_____________. As Tramas da Herança: da reprodução camponesa às atualizações dos sentidos da transmissão da terra. Tese (Doutorado em Antropologia). FFLCH-USP, São Paulo, 1998.

PEREIRA, J. R. De Camponeses a Membros do MST: os novos produtores rurais e a sua organização social, tese de Doutorado em Sociologia, Instituto de Ciências Sociais-UnB, Brasília, 2000.

PESSOA, J. de M. A revanche camponesa. Cotidiano e história em assentamentos de Goiás, tese de Doutorado em Sociologia, IFICH-Unicamp, São Paulo, 1997.

QUEIROZ, M. I. P. de. Campesinato brasileiro: ensaios sobre a civilização e grupos rústicos no Brasil, 1.ed., Petrópolis/São Paulo: Vozes/Edusp, 1973a.

______________. Bairros rurais paulistas, 1.ed. São Paulo: Duas Cidades, 1973b.

QUINTEIRO, M. da C. IN: MARTINS, J. de S.(org.). Travessias: a vivência da reforma agrária nos assentamentos, Porto Alegre, Editora da UFRGS, 2003.

RAPCHAN, E. S. De Identidades e Pessoas: um estudo de caso sobre os sem-terra de Sumaré. Dissertação (Mestrado em Sociologia). FFLCH-USP, São Paulo, 1993.

SEYFERTH, G. Herança e estrutura familiar camponesa. Boletim do Museu Nacional do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, n. 52, 1985.

SHANIN, T. Campesinos y sociedades campesinas. Cidade do México: Fondo de Cultura Economica, 1979.

SHIRLEY, R. W. Antropologia jurídica. São Paulo: Saraiva, 1987.

SIGAUD, L. Os clandestinos e os direitos. São Paulo: Duas Cidades, 1979.

SILVA, J. G. da. Para entender o Plano Nacional de Reforma Agrária, 2.ed. São Paulo: Brasiliense, 1985.

SILVA, M. A. M. In: MARTINS, J. de S.(org.). Travessias: a vivência da reforma agrária nos assentamentos, Porto Alegre, Editora da UFRGS, 2003.

SIMONETTI, M. C. L. A longa caminhada. A (re)construção do território camponês em Promissão. Tese (Doutorado em Geografia). Departamento de Geografia, FFLCH-USP, São Paulo, 1999.

VIANNA, O. Populações meridionais do Brasil, 4.ed. São Paulo: Editora Nacional, 1938.

WEBER, Max. Ensaios de Sociologia. Rio de Janeiro: Guanabara, 1982.

_____________.Economia e sociedade. Fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília: Editora da UnB, 1991.

WOORTMANN, E. F. O sítio camponês. Anuário Antropológico, n. 81, Rio de Janeiro, 1983.

WOORTMANN, E. F.; WOORTMANN, K. Amor e celibato no universo camponês. Textos NEPO 17, Unicamp, Campinas, 1990.

WOORTMANN, E. F. Herdeiros, parentes e compadres. São Paulo/ Brasília: Hucitec/Editora da UNB, 1995.

WOORTMANN, K. Com parente não se neguceia. Anuário Antropológico, Rio de Janeiro, n. 87, p.11-73, Tempo Brasileiro, 1990.




DOI: http://dx.doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2015.v18i2.216

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Eletrônica Retratos de Assentamentos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Revista Retratos de Assentamentos e-ISSN: 2527-2594 

Uniara – Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.