Reprodução social e agroecologia nos Assentamentos Primeiro do Sul e Nova Conquista II de Campo do Meio-MG

Ana Rute do Vale, Jéssica Danielle Ferreira do Amaral, Leonardo Lencioni Mattos Santos, Paulo Roberto Platini Júnior, Rodrigo Santos de Andrade

Resumo


Essa pesquisa pretende mostrar a contribuição do sistema de produção agroecológica para a reprodução social da agricultura familiar, ao possibilitar o escoamento da produção agrícola nos assentamentos Primeiro do Sul e Nova Conquista II, em Campo do Meio-MG. Nesse município, onde a concentração fundiária é uma realidade, a luta dos trabalhadores pela conquista da terra, que ocorre desde a década de 1990, deu origem a esses dois assentamentos e vários acampamentos. Embora estejam encravados no território do agronegócio do café, esses assentados vêm cada vez mais produzindo no sistema agroecológico. Seus produtos - café, cana, leite e seus derivados, hortaliças, frutas, grãos e mel - estão sendo comercializados, principalmente, por meio da Cooperativa dos Camponeses Sul Mineira (Camponesa) em feiras em Campo do Meio-MG e Alfenas-MG. Apesar das dificuldades inerentes à agricultura familiar brasileira, sobretudo para os assentados, a opção pela agroecologia tem mostrado que poderá trazer resultados positivos, embora ainda haja um longo caminho a percorrer.


Palavras-chave


Assentamentos; Agroecologia; Reprodução social

Texto completo:

PDF

Referências


ALTIERI, Miguel A. Agroecologia: a dinâmica produtiva da agricultura sustentável. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 1998. 95 p.

______. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. 3ed. São Paulo: Expressão Popular, AS-PTA, 2012.

CARVALHO, Ricardo Henrique. Entrevista concedida a AMARAL, Jéssica D. F. Campo do Meio (MG), 25 mai. 2018.

COALIZÃO DO CAFÉ et al.(Org.) Café: Vida, Produção e Trabalho – Agricultores Familiares e Assalariados Rurais. Florianópolis: Instituto Observatório Social, 2004. Disponível em: Acessado em: 25 mai. 2018.

COUTINHO JÚNIOR, José. Assentamento em Minas inicia transição do café convencional ao orgânico. MST, 29 de maio de 2013. . Acessado em: 27 mai. 2018.

DOURADO, Nathan P. A agroecologia como estratégia de reprodução social da agricultura familiar camponesa e desenvolvimento rural sustentável no município de Poço Fundo-MG. 2017. 81f. Trabalho de Conclusão de Curso (Geografia Licenciatura), Universidade Federal de Alfenas, Alfenas, 2017.

EHLERS, E. Agricultura Sustentável: origens e perspectivas de um novo paradigma. São Paulo: Livros da Terra, 1996.

ESTEVAM, Douglas. Setor de Produção do MST e cooperativas. Diálogos, Propostas, Histórias para uma Cidadania Mundial. 03/2010. Disponível em: http://base.d-p-h.info/pt/fiches/dph/fiche-dph-8240.html. Acessado em: 10 jul. 2018.

ENGELMANN, Solange. O papel da Reforma Agrária Popular no Brasil. MST. 26 set. 2016. Disponível em: http://www.mst.org.br/2016/09/26/o-papel-da-reforma-agraria-popular-no-brasil.html. Acessado em 27 mai. 2018.

FERNANDES, B. M. Formação e Territorialização do MST no Brasil. In: MARAFON, G. J.; RUA, J.; RIBEIRO, M. A. (Org.) Abordagens teórico-metodológicas em Geografia Agrária. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2007, p.139-168.

FRANÇA, Caio Galvão; DEL GROSSI, Mauro Eduardo; MARQUES, Vicente P. M. de Azevedo. O censo agropecuário 2006 e a reforma agrária: aspectos metodológicos e primeiros resultados. Brasília: MDA, 2009. Disponível em:< nead.mda.gov.br/download.php?file.../debate/o_censo_2006_e_a_reforma_agraria.> Acessado em 25 mai. 2018.

______. O censo agropecuário 2006 e a agricultura familiar no Brasil. Brasília: MDA, 2009. Disponível em: Acessado em 25 mai. 2018.

GOMES, Elenice.; SILVEIRA, Paulo Roberto C. Agroecologia nos Assentamentos de Reforma Agrária - O Caso do Assentamento Alvorada/RS. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 40, 2002, Passo Fundo. Anais… Passo Fundo: EDIUPF, 2002. Disponível em: Acesso em 9 jul. 2018.

GONÇALVES, Juliana. Café agroecológico Guaií transforma a vida de assentados no Sul de Minas Gerais. Brasil de Fato. São Paulo (SP), 23 fev. 2018. Disponível em: . Acessado em: 28 mai. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE Cidades: Estado de Minas Gerais: Campo do Meio: Censo agropecuário, 2006. Disponível em: . Acessado em: 25 de maio de 2018.

LAMARCHE, Hugues (Coord.) Agricultura familiar: uma realidade multiforme. Campinas: Editora da Unicamp, 1993.

LIMA, Eduardo C. Os movimentos sociais de luta pela terra e pela reforma agrária no Pontal do Paranapanema (SP): Dissidências e Dinâmica Territorial. 2006. 120 p. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Estadual Paulista. Instituto de Geociência e Ciências Exatas. Rio Claro, 2006. Disponível em: Acessado em: 28 de maio de 2018.

LUCAS, Kelson S.; VALE, Ana Rute. Assentamento Primeiro do Sul: passado de luta, presente de resistência e futuro de incertezas.

Geografia Ensino & Pesquisa, v. 18, n. 1, p. 7-22, jan./abr. 2014.. Disponível em: . Acessado em 25 mai. 2018.

MOREIRA, Aninha M. Estudo comparativo do uso da terra em unidades de produção familiar no nordeste paraense. 2008. 88p. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais). Universidade Federal do Pará, Belém, 2008. Disponível em: Acessado em: 28 mai. 2018.

MOTA, Demes N. Tendências Produtivas da Cafeicultura (Coffea Arabica) no Assentamento Primeiro do Sul, Campo do Meio (MG): Abordagem Socio-econômica-ambiental. 2008. 72 p. Trabalho de Conclusão do Curso (Especialização em Agroecologia). Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2008.

NASCIMENTO, Roberto Carlos. Entrevista concedida a AMARAL, Jéssica D. F. Campo do Meio (MG), 25 mai. 2018.

PLOEG, Jan Douwe Van der. Dez qualidades da agricultura familiar. Revista Agriculturas: experiências em agroecologia. Rio de Janeiro: AS-PTA, n 1, p. 7-14, fev. 2014. Disponível em: http://aspta.org.br/wp-content/uploads/2014/02/Agriculturas_Caderno_Debate-N01_Baixa.pdf. Acesso em: 28 mai. 2018.

RABELLO, Tânia. MST abre loja de orgânicos. Os preços? Compensadores. Estadão. São Paulo. 26 ago. 2016. Alimentos Orgânicos. Disponível em:< http://emais.estadao.com.br/blogs/alimentos-organicos/mst-abre-loja-de-organicos-os-precos-compensadores/>. Acessado em 26 mai. 2018.

RIBAS, Alexandre. MST: Reorganização político-territorial dos assentamentos e a consolidação do sistema cooperativista dos assentados. Revista NERA. Presidente Prudente, n. 1, p. 45-58, 1998. Disponível em: < https://bit.ly/2YJwtyB>. Acessado em 10 jul. 2018.

SHIMANSKI, Edina; SOUZA, Cimone Rozendo. A cooperação nos assentamentos do MST: superação da agricultura familiar? In: BRANDENDURG, Alfio; FERREIRA, Ângela Duarte D. (org.) Ruralidades e questões ambientais: estudo sobre estratégias, projetose políticas. Brasília: MDA, 2007, p. 243-272. Disponível em: Acessado em 12 jul. 2018.

VEIGA, José E. Agricultura familiar e sustentabilidade. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, n.3, p.383-404, 1996. Disponível em: . Acessado em 26 mai. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2019.v22i2.390

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Retratos de Assentamentos

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Revista Retratos de Assentamentos e-ISSN: 2527-2594 

Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.