Saneamento rural e percepção ambiental em um assentamento rural – São Paulo – Brasil

Autores

  • Danitielle Cineli Simonato Universidade Estadual de Campinas
  • Rodolfo Antônio de Figueiredo Professor Associado do Departamento de Ciências Ambientais do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (DCAm/CCBS) e credenciado no Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (PPGCAm/UFSCar)
  • Carolina Buso Dornfeld Professora Doutora na Universidade Estadual Paulista - Júlio de Mesquita Filho, Câmpus de Ilha Solteira (SP)
  • Vanilde Ferreira de Souza Esquerdo Professora Doutora - Faculdade de Engenharia Agrícola - Universidade Estadual de Campinas - Feagri/Unicamp
  • Sonia Maria Pessoa Pereira Bergamasco Professora Titular - Faculdade de Engenharia Agrícola - Universidade Estadual de Campinas - Feagri/Unicamp

DOI:

https://doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2019.v22i2.336

Palavras-chave:

Qualidade de Vida, Reforma Agrária, Saneamento Básico, Saúde Pública.

Resumo

O saneamento no meio rural se tornou um desafio nos últimos anos no que se diz respeito à promoção da saúde e a qualidade de vida. O objetivo do presente trabalho foi investigar a o saneamento ambiental e a percepção ambiental de Assentados Rurais no Assentamento Estrela da Ilha no município de Ilha Solteira – SP. A metodologia utilizada foi o questionário semiestruturado e o Diário de Campo. As questões versaram sobre o gerenciamento dos resíduos sólidos, esgotamento sanitário, abastecimento de água, e presença de insetos e vetores. O Diário de Campo foi utilizado para registrar a percepção e sensibilização ambiental dos assentados (as) sobre a temática. Os resultados revelaram que não há gerenciamento de resíduos sólidos, nem coleta seletiva no Assentamento, em relação ao abastecimento de água, 94% dos assentados possuem poço tipo “caipira” ou semi-artesiano. Em relação à percepção ambiental os (as) assentados (as) se preocupam com a qualidade da água que consomem, além do esgotamento sanitário, já que muitos entrevistados possuíam poços próximos às fossas. Enfim, sabe-se que um serviço de saneamento em áreas rurais, é de suma importância para proteger e promover a saúde da população e a preservação do meio ambiente.

Biografia do Autor

Danitielle Cineli Simonato, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda Faculdade de Engenharia Agrícola - Feagri/Unicamp

 

Rodolfo Antônio de Figueiredo, Professor Associado do Departamento de Ciências Ambientais do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (DCAm/CCBS) e credenciado no Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (PPGCAm/UFSCar)

Professor Associado do Departamento de Ciências Ambientais do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (DCAm/CCBS) e credenciado no Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (PPGCAm/UFSCar)

Carolina Buso Dornfeld, Professora Doutora na Universidade Estadual Paulista - Júlio de Mesquita Filho, Câmpus de Ilha Solteira (SP)

Professora Doutora na Universidade Estadual Paulista - Júlio de Mesquita Filho, Câmpus de Ilha Solteira (SP)

Vanilde Ferreira de Souza Esquerdo, Professora Doutora - Faculdade de Engenharia Agrícola - Universidade Estadual de Campinas - Feagri/Unicamp

Professora Doutora - Faculdade de Engenharia Agrícola - Universidade Estadual de Campinas - Feagri/Unicamp

Sonia Maria Pessoa Pereira Bergamasco, Professora Titular - Faculdade de Engenharia Agrícola - Universidade Estadual de Campinas - Feagri/Unicamp

Professora Titular - Faculdade de Engenharia Agrícola - Universidade Estadual de Campinas - Feagri/Unicamp

Referências

BRASIL, Política Nacional de Resíduos Sólidos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm Acesso em: 28 set. 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.914, de 12 de Dezembro de 2011. Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2914_12_12_2011.html Acesso em: 10 abr. 2018.

BRASIL. Lei nº 11.445, de 5 de Janeiro de 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm Acesso em: 23 mar. 2013.

BRASIL. IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. Censo 2010: População do Brasil é de 190.732.694 pessoas. Disponível em: http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias?view=noticia&id=1&busca=1&idnoticia=1766 Acesso em: 20 abr. 2013.

BRASIL, Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental. Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento: diagnóstico dos serviços de água e esgotos –2014. Brasília, DF: Ministério das Cidades, 2016. Disponível em: http://www.snis.gov.br Acesso em: 20 mar. 2017.

BRASIL. Decreto-lei lei nº 9.795/99, de 27 de abril de 1999. Aprova a consolidação da lei de Política Nacional de Educação Ambiental. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=321 . Acesso em: 01 mar. 2018.

BRASIL. IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. Lixo é queimado em 58% dos domicílios rurais. Sala de Imprensa. Disponível em: http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias?view=noticia&id=1&busca=1&idnoticia=2017 . Acesso em: 12 mar. 2013.

CARVALHO, A. R. de; OLIVEIRA, M. V. C. Princípios básicos do saneamento do meio. 9. ed. São Paulo: SENAC, 2007.

CETESB. Qualidade das águas subterrâneas do Estado de São Paulo 2010-2012. São Paulo: Série Relatórios ISSN/0103-4103, 242 p, 2013. Disponível em: http://cetesb.sp.gov.br/aguas-subterraneas/publicacoes-e-relatorios/ . Acesso em: 11 set. 2016.

COIMBRA, A. S. O tratamento da educação ambiental nas conferências ambientais e a questão da transversalidade. Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient., v.16, p. 131-142, 2006. Disponível em: https://periodicos.furg.br/remea/article/view/2789 . Acesso em: 20 ago. 2015.

DAROLT, M.R. Lixo Rural: Entraves, Estratégias e Oportunidades. Ponta Grossa: 2002. IAPAR-Instituto Agronômico do Paraná. Disponível em: http://www.planetaorganico.com.br/trabdarlixo.htm>. Acesso em: 21 set. 2017.

FIALHO, J. M. Avaliação microbiológica da água consumida numa área rural de Ilha Solteira, Estado de São Paulo. 2016. 93 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-graduação em Agronomia, Defers, UNESP, Ilha Solteira, 2016. Cap. 1.

FIALHO, J. M. ; LEITE, M. A. ; PIÃO, A. C. S. ; DORNFELD, C. B. ; ALVES PRADO, H. F. . Avaliação microbiológica da água consumida por uma população rural de Ilha Solteira - São Paulo. Revista Brasileira de Engenharia de Biossistemas (UNICAMP), v. 11, p. 273-286, 2017. Disponível em: http://seer.tupa.unesp.br/index.php/BIOENG/article/view/550 . Acesso em: 10 de mar. 2018.

FUNASA. Fundação Nacional de Saúde. Resíduos Sólidos e a Saúde da Comunidade. 1. ed. Rev. Brasília: Fundação Nacional de Saúde, 44p. 2009. Disponível em: http://pesquisa.bvsalud.org/bvsms/resource/pt/mis-38902 . Acesso em 30 de mai. 2018.

FUNASA - Fundação Nacional de Saúde. Funasa (Org.). Saneamento Rural. Ministério da Saúde. Disponível em: http://www.funasa.gov.br/site/engenharia-de-saude-publica-2/saneamento-rural/ . Acesso em: 03 dez. 2012

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa em educação ambiental. In: PHILIPPI JUNIOR, A.; PELICIONI, M. C. F. (Org.). Educação ambiental e sustentabilidade. Barueri: Manole, 2005. p. 577-598.

HERNANDEZ, F.B.T.; SOUZA, S.A.V.; ZOCOLER, J.L.; FRIZZONE, J.A. Simulação e efeito de veranicos em culturas desenvolvidas na região de Palmeira d’Oeste, Estado de São Paulo. Engenharia Agrícola, v. 23, n. 1, p. 21-30, 2003.

IBGE, Síntese de Indicadores Sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2016, Rio de Janeiro : IBGE, 2016, 146p. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98965.pdf Acesso em: 20 mar. 2018.

INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA. INCRA (Org.). Pesquisa Sobre a Qualidade de Vida, Produção e Renda dos Assentamentos da Reforma Agrária. Brasília Disponível em: http://www.incra.gov.br/index.php/reforma-agraria-2/questao-agraria/numeros-da-reforma-agraria/file/1152-pesquisa-qualidade-de-vida-nos-assentamentos-2010 . Acesso em 08 nov. 2012.

INSTITUTO TRATA BRASIL (São Paulo). Instituto Trata Brasil. Saneamento no Brasil - backup. 2018. Disponível em: http://www.tratabrasil.org.br/saneamento-no-brasil-bakup . Acesso em: 20 fev. 2018.

LOPES, L. G.; PALLA, V. L. Instrução Prática Saneamento Rural: O Esgoto e a Água Potável na Propriedade. 272. ed. CATI São Paulo: CATI, 2004. 20 p.

MINAYO, M. C. de S (Org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade.18. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

MOREIRA, J. P. Lixo e cidadania no meio rural, uma experiência socioambiental: um estudo de caso do assentamento Estrela da Ilha. 2010. 29 f. Monografia (Monografia de Conclusão de Curso) - Curso de Ciências Biológicas, Departamento de Biologia e Zootecnia, UNESP, Ilha Solteira, 2010.

OTTOSON, J.; STENSTROM, T.A. Faecal contamination of greywater and associated microbial risks. Water research, v. 37, p.645-655. 2003. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12688699. Acesso em: 27 de abr. 2018.

PALHARES, J. C. P.; MATTEI, R. M. Destino dos lixos gerados e propensão à coleta seletiva em duas comunidades rurais de Concordia-SC. Concórdia, 01 jan. 2010. p. 1-6. Disponível em: http://www.bvsde.paho.org/bvsaidis/uruguay30/BR05387_Palhares.pdf . Acesso em: 12 mar. 2013.

PALMA, I. R. Análise da Percepção Ambiental como Instrumento ao Planejamento da Educação Ambiental. 2005. 78 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais, UFRGS, Porto Alegre, 2005. Cap. 1.

PRADO, E. L. do. Qualidade da água utilizada por uma população de zona rural de Fortaleza de Minas – MG: um risco à saúde pública. 2010. 196 f. Tese (Doutorado) - Curso de Programa de Pós Graduação em Enfermagem, Departamento de Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2010. Cap. 1

RODRIGUES, C. F. M.; RODRIGUES, V. S.; NERES, J. C. I.; GUIMARÃES, A. P. M.; NERES, L. L. F. G.; CARVALHO, A. V.. Desafios da saúde pública no Brasil: relação entre zoonoses e saneamento. Scire Salutis, v.7, n.1, p.27-37, 2017. DOI: http://doi.org/10.6008/SPC2236-9600.2017.001.0003 Disponível em: http://sustenere.co/journals/index.php/sciresalutis/issue/view/93.Acesso em: 10 abr. 2018.

SILVA, I.F. MIELNICZUK, J. Avaliação do estado de agregação do solo afetado pelo uso agrícola. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 21:313-319, 1997.

World Health Organization (WHO) and The United Nations Children’s Fund (UNICEF). (Ed.). Progress on drinking water, sanitation and hygiene: 2017 update and SDG baselines. Switzerland: JMP, 2017. 110 p. Anna Grojec. Disponível em: https://www.unicef.org/publications/index_96611.html . Acesso em: 20 fev. 2018.

Publicado

2019-08-01

Edição

Seção

Artigos Originais

Most read articles by the same author(s)

1 2 > >> 

Similar Articles

You may also start an advanced similarity search for this article.