Construindo a governança local para a gestão socioambiental na Amazônia

Autores

  • Philippe Jean Louis Sablayrolles Instituto Amazônico de Agriculturas Familiares (INEAF), Universidade Federal do Pará (UFPA) http://orcid.org/0000-0001-7836-1816
  • Noemi Sakiara Miyasaka Porro Instituto Amazônico de Agriculturas Familiares (INEAF), Universidade Federal do Pará (UFPA)
  • Myriam Cyntia Cesar de Oliveira Instituto Amazônico de Agriculturas Familiares (INEAF), Universidade Federal do Pará (UFPA)

DOI:

https://doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2019.v22i2.374

Palavras-chave:

conflitos socioambientais, gestão dos recursos naturais, comunidades tradicionais, ação coletiva, Amazônia brasileira

Resumo

O trabalho introduz e discute o conceito de governança local para a gestão socioambiental em terras tradicionalmente ocupadas e assentamentos de Reforma Agrária na Amazônia. Tomando como objeto empírico focos emergentes de governança local, registraram-se as tentativas de embasamento em ações concretas, levadas a cabo em determinados contextos por atores engajados na construção de novas instituições. O texto analisa sete sistemas socioecológicos locais, abrangidos pelo projeto “Manejo da Gente: propostas locais de gestão ambiental”, conduzido pela Universidade Federal do Pará. Observou-se que os aspectos técnicos, econômicos e de comercialização, as questões de conflitos com atores externos ou internos às comunidades, as relações com órgãos públicos exigem uma atuação articulada em dois níveis, o local e o regional/estadual. O processo de empoderamento dos atores locais demanda atuações multifacetadas e interinstitucionais nestes dois níveis, operadas por redes formais e informais e com o apoio da cooperação nacional e internacional. O texto ressalta a importância de novas formas de politização das iniciativas de manejo florestal comunitário e de gestão socioambiental que vêm emergindo gradualmente em territórios tradicionais e assentamentos de reforma agrária.

Referências

ALMEIDA, A. W. B. D. Terras tradicionalmente ocupadas. Processos de territorialização e movimentos sociais. Somanlu: Revista de Estudos Amazônicos do Programa de Pós-graduação em Sociedade e Cultura na Amazônia da Universidade Federal do Amazonas, v. 6, n. 1, 2004.

ALVES, L. N.; DE LIMA, L. N. M.; COSTA, A. P. D. Políticas Públicas e Produtos Locais: a não inserção do açaí (Euterpe Oleracea Mart.) na Alimentação Escolar no Estuário Amazônico. Revista Fragmentos de Cultura-Revista Interdisciplinar de Ciências Humanas, v. 25, n. 2, p. 287–296, 2015.

BENATTI, J. H. Posse coletiva da terra: um estudo jurídico sobre o apossamento de seringueiros e quilombolas. Revista CEJ, v. 1, n. 3, p. 54–60, 1997.

CASTELLANET, C.; ROCHA, C. G. S. Histórico e métodos do PAET. In: SABLAYROLLES, P.; ROCHA, C. G. S. (Org.). Desenvolvimento sustentável da agricultura familiar na Transamazônica. 1. ed. Belém, PA; Altamira, PA: Laboratório Agroecológico da Transamazônica - LAET, 2003. p. 23–35.

CASTELLANET, C. SABLAYROLLES P., MATTOS L., OLIVEIRA C., CLAVIER P. Contribuição de organizações de base territorial para a governança sócioambiental. Brasília: IEB; Nogent: GRET, 2013.

KRAYCHETE, G. Estudos de viabilidade dos empreendimentos associativos: uma metodologia apropriada. Economia solidária. Salvador: Bahia. Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (SETRE), 2011. p. 19–35.

LITTLE, P. E. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Tempo brasileiro, p. 251-290, 2004.

MEDINA, G. Governança local para manejo florestal na Amazônia. Revista Brasileira de ciências sociais, v. 27, n. 78, p. 67–79, 2012.

POTEETE, A. R.; OSTROM, E.; JANSSEN, M. A. Trabalho em parceria. Ação coletiva, bens comuns e múltiplos métodos. Tradução Rogério Bettoni. São Paulo: SENAC São Paulo, 2011.

OSTROM, E. Governing the commons: The evolution of institutions for collective action. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

REYNAL, V. D. et al. Agriculturas familiares e desenvolvimento em frente pioneira amazônica. 1. ed. Belém: LASAT/CAT, GRET, UAG, 1995.

RONCONI, L. Governança pública: um desafio à democracia. Emancipação, v. 11, n. 1, p. 21–34, 2011.

TRICHES, R. M. Repensando o mercado da alimentação escolar: novas institucionalidades para o desenvolvimento rural. In: Políticas públicas de desenvolvimento rural no Brasil. 1. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2015. p. 181–200.

SABLAYROLLES, P.; ROCHA, C.G.S. (Org.) Desenvolvimento sustentável da agricultura familiar na Transamazônica. 1. ed. Belém: LAET (Laboratório Agroecológico da Transamazônica), AFATRA, 2003.

SANTILLI, J. Socioambientalismo e novos direitos-Proteção jurídica à diversidade biológica e cultural. São Paulo: Peirópolis, 2005.

TUCKER, C. M.; OSTROM, E. Pesquisa multidisciplinar relacionando instituições e transformações florestais. In: MORAN, E. F.; OSTROM, E. (Org.) Ecossistemas florestais: interação homem-ambiente. São Paulo: Senac : Edusp, 2009. p. 109–138.

WEBER, J. Gestão de recursos renováveis: fundamentos teóricos de um programa de pesquisas. Gestão de recursos naturais renováveis e desenvolvimento: novos desafios para a pesquisa ambiental. São Paulo: Cortez, 1997. p. 115–146.

Publicado

2019-08-01

Edição

Seção

Dossiê Temático: Questões socioambientais nos assentamentos no cenário atual

Most read articles by the same author(s)