Segurança alimentar e nutricional: percepção de mulheres de um assentamento rural

Autores

  • Roberta Calcanhoto Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Humano da Universidade de Taubaté/SP
  • Elisa Maria Andrade Brisola Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Humano da Universidade de Taubaté/SP
  • Suzana Lopes Salgado Ribeiro Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS.
  • Alexandra Magna Rodrigues Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Humano, Universidade de Taubaté/SP.

DOI:

https://doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2020.v23i1.391

Palavras-chave:

Desenvolvimento Humano, Segurança Alimentar, Assentamento Rural, Gênero

Resumo

O objetivo do estudo foi avaliar a segurança alimentar de famílias de um assentamento rural, segundo a percepção das mulheres devido aos papéis de gêneros estabelecidos socialmente, que relacionam a elas o dever de cuidar da família. Trata-se de pesquisa com abordagem qualiquantitativa que utilizou a Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (EBIA) e entrevista com quatro questões norteadoras. A EBIA foi respondida por 22 mulheres e os dados foram tratados por estatística descritiva. As entrevistas foram realizadas com 10 mulheres e os dados analisados por meio de triangulação de métodos. Verificou-se que 78,6% das famílias encontravam-se em Insegurança Alimentar e as narrativas dessas mulheres demostraram o medo de não ter alimento para seus filhos e dificuldades de viver da terra, apesar da melhoria da condição de vida após serem assentadas. Tal situação indica necessidade de articulação das políticas públicas que garantam Segurança Alimentar Nutricional dessas famílias.

Biografia do Autor

Suzana Lopes Salgado Ribeiro, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS.

Professora Visitante da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS.

Alexandra Magna Rodrigues, Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Humano, Universidade de Taubaté/SP.

Professora do Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Humano e do Departamento de Enfermagem e Nutrição da Universidade de Taubaté/SP.

Referências

BEZZERA, T. A.; OLINDA, R. A.; PEDRAZZA, D.F. Insegurança alimentar no Brasil segundo diferentes cenários sociodemográficos. Ciência & Saúde Coletiva, v.22, n.2, p.637-651, 2015.

BRASIL. Presidência da República. Constituição Federal. Dispõe sobre a Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 05. out. 1988.

_______. Presidência da República. Lei nº 8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 19. set. 1990.

______. IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio, 2004. Relatório. IBGE, 2005.

_______. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 11346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 15. set. 2006.

_______. IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicilio, 2009. Relatório. IBGE, 2010.

_______. Ministério do desenvolvimento social e combate e fome. Brasília: 2013. Disponível em <http://mds.gov.br/>. Acesso em 26 abr 2018.

_______. Ministério do desenvolvimento social e combate à fome. Secretaria de avaliação e gestão da informação. Escala Brasileira de Insegurança Alimentar – EBIA. 2014.

_______. Ministério do desenvolvimento agrário. Instituto nacional de colonização e reforma agraria. Criação de assentamentos. Disponível em: <http://www.incra.gov.br/assentamentoscriacao>. Acesso em: 03 set 2016.

_______. Ministério do desenvolvimento agrário. Instituto nacional de colonização e reforma agraria. Incra/SP recebe posse de mais um imóvel para a reforma agrária no Vale do Paraíba. Disponível em: <http://www.incra.gov.br/noticias/incrasp-recebe-posse-de-mais-um-im%C3%B3vel-para-reforma-agr%C3%A1ria-no-vale-do-para%C3%ADba>. Acesso em: 23 mai 2016.

_______. 2017 Ministério do desenvolvimento social e combate à fome. Sistema nacional-de segurança alimentar e nutricional. Disponível em Acesso em 23 mai 2017.

http://www4.planalto.gov.br/consea/acesso-a-informacao/institucional/conceitos/sistema-nacional-de-seguranca-alimentar-e-nutricional

_______. Medida provisória nº 870, de 1º de janeiro de 2019. Estabelece a organização básica dos órgãos da Presidência da República e dos Ministérios. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2019.

BURLANDY, L.; MAGALHÃES, R. Segurança, seguridade e direito: as diferentes faces da questão alimentar e nutricional. Rio de Janeiro: Observatório da Cidadania, 2004.

CLAY, E. O; CHAMON, E. M. Q; RODRIGUES, A. M. R. Representações Sociais sobre os alimentos orgânicos para agricultores. Desenvolvimento em Questão. a.14, n., p 243-273, 2016.

CONSEA - Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. I Conferência Nacional de Segurança Alimentar. Relatório Final. Brasília: CONSEA; 1994.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. Introduction: The discipline and practice of qualitative research. In: The Sage Handbook of qualitative research. 4. ed. Thousand Oaks: Sage, 2005.

EVANGELISTA, M. B.; RIBEIRO, S. L. S. Da terra ao corpo: lutas e conquistas de gênero. METAXY: Revista Brasileira de Cultura e Políticas em Direitos Humanos. v. 1, n. 2, p.1-18, 2017.

FERRANTE, V. L. S. B., BERGAMASCO, S. M. P. P. A. Censo de assentamentos rurais do Estado de São Paulo. Araraquara: Faculdade de Ciências e Letras, UNESP, 1995.

GAZOLLA, M.; SCHNEIDER, S. A produção da autonomia: os “papéis” do autoconsumo na reprodução social dos agricultores familiares. Estud. Soc. Agric. Rio de Janeiro, v. 15, n.1, p. 89-122, 2007.

INCRA. Balanço de 2003 a 2010. Disponível em www.incra.gov.br/index.php/servicos/publicacoes. Acesso em 15 out. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Agropecuário

Rio de Janeiro, 2006. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/agropecuaria/censoagro/agri_familiar. Acesso em: 03 dez. 2016.

ITESP. Fundação Instituto de Terras do Estado de São Paulo. www.itesp.sp.gov.br. http://201.55.33.20/page.php?tipo=21. Acesso em 02 fev 2017.

KASSOUF, A. L. Aspectos sócio-econômicos do trabalho infantil no Brasil. Brasília; Secretaria dos Direitos Humanos; 2002.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

MARCONDES, N. A. V; BRISOLA, E. M. A. Política pública de assistência social: estratégia de desenvolvimento e combate à pobreza. Publ. UEPG Ci. Soc. Apl., v.21, n.2, p.181-192, 2013.

MARTINS, V.S.; MENASCHE, R. Trajetórias do lugar de viver em terra de reforma agrária. Rev. Retratos de assentamentos, v.14, n.1, p.69-92, 2011.

MINARI, R.C.S.P.; SILVA, M.A.C.; VAZ T.R.D.; PEREIRA, G.C.A. Gestão Socioambiental em Assentamentos: estudo de caso da Região Noroeste Paulista. Sciencult, v3, n. 1, p. 194-202, 2011.

MST - MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA. Assentamentos do MST em 2004. 2007a. Disponível em: http://www.mst.org.br/mst/ pagina.php?cd=1010. Acesso em 15 mar. 2017.

MST - MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA. MST Quer novo modelo para reforma agrária. MST Informa, v.5, n.139, 2007.

MST - MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA. Revista Sem Terra, p.11:28, 2009.

OXFAM. A distância que nos une. Um retrato das desigualdades brasileiras. 2017.

PERROT, M. Une histoire des femmes est-elle possible? Paris: Rivage, 1984.

PERROT, M. Mulheres públicas. São Paulo: Editora da Unesp, 1998.

PORTO-GONÇALVES, C. W. A globalização da natureza e a natureza da globalização. Civilização Brasileira: Rio de Janeiro, 2006.

PRADO JÚNIOR, C. A Questão Agrária. 4.ed. São Paulo: Brasiliense, 1979.

RAGO, M. Epistemologia feminista, gênero e história. In: PEDRO, Joana; GROSSI, Miriam (orgs.). Masculino, feminino, plural. Florianópolis: Ed. Mulheres, 1998.

REFORMA AGRÁRIA. www.reformaagrariaemdados.org.br/realidade/2-assentamentos-rurais Acesso em 20 nov 2017.

RIBEIRO, S. L. S. Tramas e traumas: identidades em marcha. Tese de doutorado. São Paulo: DH-FFLCH-USP, 2007.

SEGALL-CORRÊA, A. M. et al. Validation of the USDA food security scale as a valid tool to assess household food insecurity in urban areas in Brazil. The FASEB Journal, v. 18, n. 2, p. 349- 352, 2004.

SEGALL-CORRÊA, A.M.; MARIN-LEON, L. A Segurança Alimentar no Brasil: Proposição e Usos da Escala Brasileira de Medida de Insegurança Alimentar (EBIA) de 2003 a 2009. Segur. aliment. nutr. v.16, n.2,p. 1-19, 2009.

STÉDILE, J. P. (org.) A Questão Agrária no Brasil. O debate tradicional 1500-1960. São Paulo: Expressão popular, 2005.

SCHNEIDER, S. Teoria social, agricultura familiar e pluriatividade. Rev. bras. Ci. Soc. [online]. 2003, vol.18, n.51, pp.99-122. ISSN 0102-6909. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69092003000100008.

SILIPRANDI, E. Mulheres e Agroecologia: a construção de novos sujeitos políticos na agricultura familiar. 2009. 291 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável) – Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

SOUZA, H. Reforma Agrária, função social e direito ao uso do solo. In: MOLINA, M. (org). Introdução Crítica ao Direito Agrário. São Paulo: UnB, 2002.

WANDERLEY, M. N. B. A agricultura familiar no Brasil: um espaço em construção. In: Revista da Associação Brasileira de Reforma Agrária. v. 25, n. 2 e 3, p. 37-68, mai/dez., 1995.

YASMIM, G.A.; FARIAS, M. F. L. Ambiguidades na vida das famílias nos espaços de reforma agrária. In: MENEGAT, A. S. TEDESCHI, L. A.; FARIAS; M. F. L (Org.). Educação, relações de gênero e movimentos sociais: um diálogo necessário. Ed. Da UFGD, 2009.

Downloads

Publicado

2020-02-01

Como Citar

Calcanhoto, R., Brisola, E. M. A., Ribeiro, S. L. S., & Rodrigues, A. M. (2020). Segurança alimentar e nutricional: percepção de mulheres de um assentamento rural. Retratos De Assentamentos, 23(1), 269-292. https://doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2020.v23i1.391

Edição

Seção

Artigos Originais