O MST e a Edificação de uma Proposta de Reforma Agrária Baseada em Princípios Agroecológicos

Ricardo Serra Borsatto, Maristela Simões do Carmo

Resumo


Nos últimos anos diferentes movimentos sociais ao redor do mundo têm internalizado em seus ideários novos valores e princípios epistemológicos edificados sobre as bases da sustentabilidade ambiental e equidade social. Dentro desse contexto, esse artigo objetivou compreender o processo de adoção de um discurso baseado na Agroecologia pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no Brasil. Para tanto foram analisados os documentos produzidos pelo MST e realizadas entrevistas semiestruturadas com lideranças do Movimento. Por meio da pesquisa empreendida é possível afirmar que o MST modificou o seu discurso em relação ao sistema de produção a ser adotado por seus militantes, defendendo atualmente a adoção de princípios agroecológicos.
Porém, percebe-se que essa modificação de postura ainda tem apresentado efeitos limitados na transformação dos sistemas produtivos dos assentamentos e importantes entraves ainda terão que ser superados.


Palavras-chave


Agroecologia; Assentamentos rurais; Movimentos camponeses; MST; Reforma agrária.

Texto completo:

PDF

Referências


BARCELLOS, S.B. A formação do discurso da agroecologia no MST. Seropédica, 2010. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais do

Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade) Universidade Federal Rural do

Rio de Janeiro, 2010.

BERGAMASCO, S.M.P.P.; CARMO, M.S. Reforma agrária dá certo? O

(in)sucesso dos assentamentos de trabalhadores rurais. Reforma Agrária,

São Paulo, v.21, p. 60-68, jan/abr 1991.

BERGAMASCO, S.M.P.P.; NORDER, L.A.C. A alternativa dos

assentamentos rurais: organização social, trabalho e política. São Paulo:

Terceira Margem, 2003.

BORGES, J.L. MST: do produtivismo a agroecologia. São Paulo;

Goiânia: Terceira Margem; Editora da PUC Goiás; 2010.

BORSATTO, RS; BERGAMASCO, SMPP; MOREIRA, SS; FONTE, NN;

FIDELIS, LM; OTTMANN, MMA. Agroecologia e a valorização de novas

dimensões no processo de reforma agrária: estudo de caso do acampamento José Lutzenberger. Informações Econômicas, São Paulo, v. 37, n.8, p.14- 23, 2007.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989

BRENNEISEN, E.C. Relações de poder, dominação e resistência: o

MST e os assentamentos rurais. Cascavel: Edunioeste, 2002. (Coleção

Thésis).

DELGADO, A. Opening up for a participation in agro-biodiversity

conservation: the expert-lay interplay in a brasilian social movement. J Agric Environ Ethichs, n.2, p. 559-577, 2008.

COSTA NETO, C.; CANAVESI, F. Sustentabilidade em assentamentos

rurais: o MST rumo à "reforma agrária agroecológica" no Brasil? In:

ALIMONDA, H. Ecología política: naturaleza, sociedad y utopía. Buenos

Aires: Clacso, 2003.

FABRINI, J.E. O projeto do MST de desenvolvimento territorial dos assentamentos e campesinato. Terra livre, São Paulo, ano 18, n.19, p. 75- 94. jul/dez 2002.

GONÇALVES, S. Campesinato, resistência e emancipação: o modelo

agroecológico adotado pelo MST no Estado do Paraná. Presidente

Prudente, 2008. Tese (Doutorado em Geografia) Universidade Estadual

Paulista.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização

Brasileira, 2004. v 1.

KARRIEM, A. The rise and transformation of the Brazilian landless movement into a counter-hegemonic political actor: a Gramscian analysis. Geoforum, 40, p.316-325, 2009.

LIPTON, M. The theory of the optimising peasant. Journal of Development Studies, vol. 4, no. 3, Colchester, Essex, Inglaterra (UK), 1968.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA – MST.

Reforma agrária: por um Brasil sem latifúndio. São Paulo: MST, 2000

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA – MST.

Proposta de Reforma Agrária do MST - 1995. In: STÉDILE, J.P. (Org.) A

questão agrária no Brasil: programas de reforma agrária 1946-2003.

São Paulo: Expressão Popular, 2005, p. 187-210.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA - MST.

Sistematização de experiências agroecológicas do MST. [São Paulo]:

[s.n.], 2007a.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA - MST.

Carta do 5º Congresso nacional do MST. MST, 2007b. Disponível em:

. Acesso em 03 mar. 2011.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA – MST.

A reforma agrária necessária: por um projeto popular para a

agricultura brasileira. MST, 2009. Disponível em: . Acesso em 03 mar. 2011.

NAVARRO, Z. Mobilização sem emancipação - as lutas sociais dos semterra no Brasil. In: SANTOS, B. S. (Org). Produzir para viver. Rio de

Janeiro: Civilização Brasileira, 2002, p. 189-232.

PICOLOTTO, E.L.; PICCIN, M.B. Movimentos camponeses e questões

ambientais: positivação da agricultura camponesa? Revista Extensão Rural, Santa Maria, ano XV, n. 16, p. 5-36, jul/dez 2008.

RAMOS FILHO, L.O.; SEVILLA GUZMÁN, E. Reforma agraria

agroecológica como alternativa de recampenizacíon en zonas de agricultura industrializada: la experiencia del asentamiento "Sepé Tiaraju", Ribeirão Preto, Brasil. In: CONGRESO LATINOAMERICANO DE SOCIOLOGIA RURAL, 8, 2010, Ipojuca. Anais eletrônicos... Ipojuca: ALASRU, 2010.

SCOPINHO, R.A. Sobre cooperação e cooperativas em assentamentos

rurais. Psicologia e Sociedade, Porto Alegre, v. 19, n. spe, p. 84-94, 2007.

TONÁ, N.; GUHUR, D.M.P. O diálogo de saberes na promoção da

agroecologia na base dos movimentos sociais populares. Rev. Bras. de

Agroecologia, v.4, n.2, p. 3322-3325, nov. 2009.

VALADÃO, A.C.; MOREIRA, S.S. Reflexões sobre a compreensão da

Agroecologia pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Rev.

Bras. de Agroecologia, Porto Alegre, v.4, n.2, p. 2842-2846, nov. 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2013.v16i2.148

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Revista Eletrônica Retratos de Assentamentos



Revista Retratos de Assentamentos e-ISSN: 2527-2594 

Uniara – Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / Brasil / CEP 14801-340

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.