Etnografias sobre mulheres assentadas: expressões de dominação, de resignação e de protagonismos

Autores

  • Henrique Carmona Duval Uniara
  • Vera Lúcia S. Botta Ferrante Uniara

DOI:

https://doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2015.v18i1.187

Palavras-chave:

Relações de Gênero, Modos de Vida, Estratégias Familiares, Assentamentos Rurais

Resumo

O artigo apresenta a metodologia etnográfica priorizada para uma pesquisa acerca das relações de gênero nos assentamentos rurais na região de Araraquara/SP. A partir do reconhecimento dos lugares das mulheres assentadas na produção e na reprodução destes grupos sociais, a pesquisa etnográfica permite um aprofundamento das questões relativas à origem e à trajetória das mulheres, bem como das expressões de dominação, resignação e protagonismos. O artigo expressa mais claramente as diferenciações e singularidades das experiências de mulheres neste espaço social. Apresentamos quatro casos de mulheres que ora assumem a frente da produção agropecuária nos lotes, ora possuem assalariamento dentro e fora do assentamento, mas não deixam de se preocupar com os cuidados com a casa e com os filhos. Outras diferenciações se constituem em função do estado civil e da fase da vida dos filhos. Sem pretender esgotar as singularidades existentes nos assentamentos, o artigo prioriza a diferença nos lugares e nas atitudes das mulheres. Apesar de alguns enfrentamentos à violência material e simbólica vivida, ainda há uma longa trajetória de luta para pôr em ação uma agenda de efetivas políticas públicas que tenham como eixo central direitos na equidade de gênero.

Referências

BOURDIEU, P. A Ilusão Biográfica. In: FERREIRA, M. de M.; AMADO,

J. Usos e Abusos da História Oral. São Paulo: FGV, 1996a. p.183-191.

BOURDIEU, P. Razões Práticas. Sobre a teoria da ação. Campinas/SP:

Papirus, 1996b. Capítulo 1 – Espaço social e espaço simbólico, p.13-33.

DUVAL, H.C. Bens Materiais e Simbólicos: condição camponesa e estratégias familiares em assentamentos rurais na região central do estado de São Paulo. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, 2015.

FERRANTE, V.L.S.B.; BARONE, L.A. Parcerias com a cana-de-açúcar:

tensões e contradições no desenvolvimento das experiências de assentamentos rurais em São Paulo. Sociologias (Versão Impressa), Porto Alegre, UFRGS, v.13, p.262-305, 2011.

FERRANTE, V.L.S.B.; DUVAL, H.C.; BERGAMASCO, S.M.P.P.; BOLFE, A.P.F. Na trajetória dos assentamentos rurais: mulheres, organização e diversificação. In: NEVES, D.P.; MEDEIROS, L.S. de. (Orgs.). Mulheres Camponesas: trabalho produtivo e engajamento políticos. 1ªed. Niterói: Editora Alternativa, 2013, p.195-216.

FONSECA, C. Família, Fofoca e Honra. Etnografia de relações de gênero e violência em grupos populares. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2000.

GARCIA JR., A.R. Terra de Trabalho. Trabalho familiar de pequenos

produtores. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

WHITAKER, D.C.A. Sociologia Rural. Questões metodológicas emergentes. Presidente Venceslau: Letras à Margem, 2002.

Downloads

Publicado

2015-01-09

Como Citar

Duval, H. C., & Ferrante, V. L. S. B. (2015). Etnografias sobre mulheres assentadas: expressões de dominação, de resignação e de protagonismos. Retratos De Assentamentos, 18(1), 183-216. https://doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2015.v18i1.187

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

<< < 1 2 3