Ciclos de estrangeirização e concentração da terra no Paraguai

Autores

  • Lorena Izá Pereira Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Faculdade de Ciências e Tecnologia, campus de Presidente Prudente
  • Bernardo Mançano Fernandes PROFESSOR DO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA (UNESP), CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE; PESQUISADOR DO NÚCLEO DE ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS DE REFORMA AGRÁRIA (NERA).

DOI:

https://doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2018.v21i2.301

Palavras-chave:

Estrangeirização da terra, Concentração fundiária, Disputa territorial, Geopolítica da questão agrária

Resumo

O Paraguai possuí a maior concentração fundiária do mundo, com o índice de Gini de 0,93. Concomitantemente, 19% do território paraguaio estava (2008) em posse de estrangeiros (CAN, 2008) e está classificado como terceiro maior exportador e sexto maior produtor de soja do globo (CAPECO, 2018). Apesar desta conjuntura atual, a concentração e estrangeirização da terra no Paraguai se configuram como processos históricos, desde o final da Guerra da Tríplice Aliança (1864-1870) e que com o passar do tempo tornam-se mais complexos, interagindo ainda mais com processos econômicos e políticos globais (ARRIGHI, 2008). Neste cenário, o objetivo deste trabalho é debater acerca do processo histórico de apropriação do território paraguaio por estrangeiros desde 1870 até o período atual, evidenciando as estratégias, papel do Estado, relações geopolíticas e impactos na estrutura fundiária do país. Entender este processo histórico é essencial para compreender as raízes da atual concentração da terra, estrangeirização do território e transformações agrárias ocorrentes no Paraguai. Para atingir este objetivo, para além de revisão bibliográfica, utilizaremos dados de diferentes agências de pesquisas e entrevistas construídas durante trabalho de campo em diferentes departamentos paraguaios entre os anos de 2015 e 2018, que nos permite refletir acerca das contradições do agronegócio e dos impactos resultantes desta apropriação de terras por estrangeiros, tais como desterritorialização de camponeses e indígenas, insegurança e perda da soberania alimentar, aumento da população em favelas e acentuação da pobreza rural e urbana, o que evidencia que os impactos desde modelo estão para além do espaço rural.

 

Biografia do Autor

Lorena Izá Pereira, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Faculdade de Ciências e Tecnologia, campus de Presidente Prudente

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual Paulista, campus de Presidente Prudente

Pesquisadora do Núcleo de Estudos, Pesquisas e Projetos de Reforma Agrária (NERA)

Downloads

Publicado

2018-08-01

Como Citar

Izá Pereira, L., & Fernandes, B. M. (2018). Ciclos de estrangeirização e concentração da terra no Paraguai. Retratos De Assentamentos, 21(2), 13-44. https://doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2018.v21i2.301

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.