Políticas voltadas para feiras da agricultura familiar no Vale do Rio Pardo (RS): estratégias locais para a soberania e segurança alimentar e nutricional

Autores

  • Angélica Cristina da Siqueira Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural/Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PGDR/UFRGS)
  • Evandro de Oliveira Lucas Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural/Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PGDR/UFRGS)
  • Fabiana Thomé da Cruz Escola de Agronomia/Universidade Federal de Goiás (EA/UFG) e Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural/Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PGDR/UFRGS).

DOI:

https://doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2020.v23i2.430

Palavras-chave:

Feiras da Agricultura Familiar, Abastecimento alimentar, Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional, Políticas Públicas, Vale Feira

Resumo

Abordagens ampliadas em saúde têm sido pautadas em políticas públicas relacionadas ao desenvolvimento rural, contribuindo para reflexões que aprofundam interfaces entre práticas alimentares, saúde e fatores sociais, econômicos, ambientais, culturais e políticos. Considerando a relevância das relações de proximidade entre agricultores e consumidores, especialmente no que se refere a promoção da Segurança Alimentar e Nutricional (SAN), da Soberania Alimentar e da garantia do acesso à Alimentação Adequada e Saudável para quem produz e para quem consome, as feiras da agricultura familiar adquirem centralidade em âmbito local. Nesse contexto, o presente artigo tem por objetivo analisar experiências de políticas públicas municipais voltadas ao fortalecimento de feiras na região do Vale do Rio Pardo no estado do Rio Grande do Sul (RS). Para tal, a pesquisa toma dados secundários sobre desenvolvimento de SAN nos municípios da região, bem como dados de entrevistas com gestores e técnicos da região, com ênfase a interlocutores de dois municípios onde uma iniciativa de Vale Feira está em andamento. Os dados reforçam a centralidade das feiras como estratégia fundamental para a diversificação da produção de agricultores familiares, refletindo não apenas em SAN para os consumidores como também para as próprias famílias produtoras.

Referências

ARAUJO, AM; RIBEIRO, EM. Feiras, feirantes e abastecimento: uma revisão da bibliografia brasileira sobre comercialização nas feiras livres. Estudos Soc Agr, v. 26, n. 3, p. 561-583, out. 2018.

BELIK, W.; GRAZIANO DA SILVA, J.; TAKAGI, M. Políticas de combate à fome no Brasil. São Paulo em perspectiva, v.15, n.4, p.119-129, 2001.

BOOTH SL et al. Environmental and societal factors affect food choice and physical activity. Nutr Rev. 2001.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social. Marco de referência de educação alimentar e nutricional para as políticas públicas. Brasília, DF: MDS, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Guia alimentar para a população brasileira. 2.ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

CAISANRS. Rev. Irio Luiz Conti, Telma Castello Branco. Plano estadual de segurança alimentar e nutricional do Rio Grande do Sul 2018-2019. Passo Fundo: IFIBE, 2018.

CASSOL, A. P. Redes agroalimentares alternativas: mercados, interação social e a construção da confiança. Dissertação (mestrado em Sociologia). UFRGS, Porto Alegre, 2013.

CASSOL, A. P. Instituições sociais e mercados alimentares tradicionais: barganha, preços, variedade, qualidade e consumo em feiras. Tese (Doutorado), PPGS/IFCH/UFRGS, Porto Alegre, BR-RS, 2018.

CASTRO, I. R. R. Desafios e Perspectivas para a Promoção da Alimentação Adequada e Saudável no Brasil. Cadernos de Saúde Pública (ENSP. Impresso), v. 31, p. 7-9, 2015.

COELHO-DE-SOUZA, G.; ROCHA, B.; SIQUEIRA, A.; WÜNSH, L. Governança da política pública de SAN nos Territórios Rurais no Rio Grande do Sul. Third International Conference Agriculture and Food in an Urbanizing Society. Anais... UFRGS: Porto Alegre, 17-21 sep 2018.

CONSELHO NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL (CONSEA). A Segurança Alimentar e Nutricional e o Direito Humano à Alimentação Adequada: da Constituição de 1988 aos dias atuais. Brasília, DF: CONSEA, 2010.

COSTA J.P.R.; SOUZA B.B. A articulação em agroecologia do vale do rio pardo: uma de construção alternativa e coletiva na região. Seminário Internacional Demandas Sociais e PPs na Sociedade Contemporânea, 2016.

DELGADO, G.C.; CONCEIÇÃO, J.C.P.R; OLIVEIRA, J.J. Avaliação do Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar (PAA). Texto para a discussão nº.1145, Brasília (DF): IPEA, 2005.

DEPONTI, C.M. O mercado institucional da compra de alimentos da agricultura familiar – PAA E PNAE – no território do Vale do Rio Pardo/RS. DRd – Desenvolvimento Regional em debate, v8, n1, jan./jun. 2018.

Duval, H. C.; Ferrante, V. B. (2008). Produção de autoconsumo em assentamentos rurais: princípios da agricultura sustentável e desenvolvimento. In Anais do 46º SOBER. Rio Branco: SOBER.

ETGES, V.E. A região no contexto da globalização: o caso do Vale do Rio Pardo. In: VOGT, O. e SILVEIRA, R (coord.). Vale do Rio Pardo: (re)conhecendo a região. Santa Cruz do Sul: Edunisc. 2001.

ETGES, V.E. Territórios rurais: a região fumicultora no Sul do Brasil. In: HEIDRICH, A. et.al. A emergência da multiterritorialidade: a ressignificação da relação do humano com o espaço. Canoas: Ed. Da ULBRA; Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008.

GAZOLLA, M. Agricultura familiar, segurança alimentar e políticas públicas. Porto Alegre (RS): Série PGDR/UFRGS (dissertação de mestrado), 2004.

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL (GOVERNO RS). Perfil Socioeconômico COREDE Vale do Rio Pardo. Porto Alegre, 2015.

GRISA; SCHNEIDER. "Plantar pro gasto": a importância do autoconsumo entre famílias de agricultores do Rio Grande do Sul. Rev. Econ. Sociol. Rural, Brasília, v. 46, n. 2, Jun, 2008.

GRISA, C.; GAZOLLA, M.; SCHNEIDER S. “Produção invisível” na agricultura familiar: autoconsumo, segurança alimentar e políticas públicas de desenvolvimento rural. Agroalimentaria, Mérida, v16, n31, jul. 2010.

HARDCASTLE et al. Food Choice and Nutrition: A Social Psychological Perspective. Nutrients v.7,10, 2015.

IBGE. Extrema pobreza atinge 13,5 milhões de pessoas e chega ao maior nível em 7 anos. Disponível em: <https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/25882-extrema-pobreza-atinge-13-5-milhoes-de-pessoas-e-chega-ao-maior-nivel-em-7-anos>. Acesso em 14 dez. 2019.

IBGE. Censo Agropecuário de 2017. Brasília. IBGE, 2020.

LE BIHAN, Geneviève; DELPEUCH, Francis; MAIRE, Bernard. Alimentação, nutrição e políticas públicas. Cad.Proposições para o Século XXI, São Paulo, Instituto Pólis, n.4, 2003.

LENZ, M.H. Viabilidade agroeconômica da produção orgânica de plantas condimentares para o desenvolvimento sustentável em propriedades familiares na região do Vale do Rio Pardo/RS. Dissertação de Mestrado. PPGDR/UNISC. Santa Cruz do Sul, 2005.

MALUF, R.S. Ações públicas locais de abastecimento alimentar. São Paulo-SP, Polis Papers: Polis Ass, Formação e Estudos em Políticas Sociais, n.5, 1999.

MENEZES, F.; PORTO, S.; GRISA, C. Abastecimento Alimentar e Compras Públicas no Brasil: um resgate histórico. Série Políticas sociais e de Alimentação. Brasília: Centro de Excelência Contra a Fome, 2015.

NIEDERLE, P.A. Os agricultores ecologistas nos mercados para alimentos orgânicos: contramovimentos e novos circuitos de comércio. Sustentabilidade em Debate - Brasília, v. 5, n. 3, p. 79-96, set/dez 2014.

OBSERVATÓRIO SOCIOAMBIENTAL EM SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL (OBSSAN-RS). Banco de dados de SAN para o estado do Rio Grande do Sul. PGDR/UFRGS, 2020.

OLIVEIRA, M. M. de. Como fazer pesquisa qualitativa. 2.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

PEREIRA, A. B. A. S. Agricultura familiar camponesa e cultura alimentar: hábitos e prática alimentares das famílias rurais da Linha Simonetti-Ivorá/RS. 2015. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural, UFSM, Santa Maria/RS, 2015.

POPKIN, B. M, Gordon-Larsen P. The nutrition transition: worldwide obesity dynamics and their determinants. Int J Obes. 2004;28(3 Suppl):2-9.

POULAIN JP. The contemporary diet in France: “de-structuration'' or from commensalism to “vagabond feeding''. Appetite. 2002;39(1):43-55.

POZZEBON, L., Rambo, A., & Gazolla, M. (2018). As Cadeias Curtas das Feiras Coloniais e Agroecológicas: Autoconsumo e Segurança Alimentar e Nutricional. Desenvolvimento Em Questão, 16(42), 405-441.

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM RETIRO DO SUL (PMBRS/RS). Lei ordinária n.4706 de 12 de dezembro de 2019. Altera disposições da Lei 3726/2012, de 13 de fevereiro de 2012, que instituiu o Vale Feira aos Servidores da Câmara Municipal de Vereadores e dá outras providências".

PREFEITURA MUNICIPAL DE VALE VERDE/RS (PMVV/RS). Lei ordinária n.1613, de 06 de abril de 2017. Concede vale feira aos servidores da Câmara Municipal.

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES/RS (PMVA/RS). Lei ordinária n.6374, de 23 de julho de 2019. Redefine as normas de concessão do vale-alimentação e do vale-feira aos servidores.

RADÜNZ, A. L., & RADUNZ, A. F. O. (2017). Feira Agroecológica da ARPASUL, Pelotas, RS: produção, segurança alimentar e comercialização, um estudo de caso. Revista Espaço Acadêmico, 17(192), 17-25.

RIBEIRO JR, J.R.S. Urbanização Crítica e Alienação Das Práticas Alimentares. Agrária, SP, n.17, 2012.

SANTARELLI, M.; BURITY. et al. Da democratização ao golpe: avanços e retrocessos na garantia do direito humano à alimentação e à nutrição adequadas no Brasil. Brasília: FIAN Brasil, 2017.

SCHUBERT, M.N; SCHNEIDER, S. Reconexão entre produção e consumo, o papel do estado e dos consumidores: O caso do pavilhão da agricultura familiar da EXPOINTER/RS. VII Encontro Nacional dos Estudos do Consumo / III Encontro Luso-Brasileiro de Estudos do Consumo / I Encontro Latino-Americano de Estudos de Consumo. PUC-Rio: Rio de Janeiro, set/2014.

SOUZA, M.B; COSTA, J.P.R. Um novo paradigma de desenvolvimento no Vale do Rio Pardo: desafios e perspectivas. Territórios, Redes e Desenvolvimento Regional: Perspectivas e Desafios Santa Cruz do Sul, RS, Brasil, 13 a 15 de setembro de 2017.

TRICHES, R. M.; HAWKES, C. Sustainable diets: definition, state of the art and perspectives for a new research agenda in Brazil. Ciencia & Saude Coletiva, v. 24, p. 0251/2019, 2019.

VARGAS, M. A.; OLIVEIRA, B.F. Estratégias de Diversificação em Áreas de Cultivo de Tabaco no Vale do Rio Pardo: uma análise comparativa. RESR, v. 50, n. 1, p., 175-192, 2012.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Global action plan for the prevention and control of noncommunicable diseases 2013-2020. Geneva: World Health Organization; 2013.

Downloads

Publicado

2020-08-01

Como Citar

Siqueira, A., de Oliveira Lucas, E., & Thomé da Cruz, F. (2020). Políticas voltadas para feiras da agricultura familiar no Vale do Rio Pardo (RS): estratégias locais para a soberania e segurança alimentar e nutricional. Retratos De Assentamentos, 23(2), 65-96. https://doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2020.v23i2.430

Edição

Seção

58º Congresso da SOBER