O Individual e o Coletivo nos Assentamentos: Entre o Ideal e o Real

Autores

  • Marluse Castro Maciel UNIFEBE

DOI:

https://doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2009.v12i1.54

Resumo

Este texto refere-se às pesquisas realizadas durante o mestrado (UNESP) e
doutorado (USP) nos assentamentos Bela Vista em Araraquara-SP e Primavera e Tupaciretã no Pontal do Paranapanema. Pretende-se com esta discussão entender os mecanismos de produção dos assentados como forma de permanência na terra e sua opção pelo trabalho individual, que em alguns momentos aparece como estratégia para se integrar ao mercado
da agricultura modernizada. Entende-se que o fato de produzirem individualmente não faz deles "individualistas", mas sim revela estratégias para comercializarem seus produtos e suas dificuldades de produzir coletivamente, seja por causa de experiências fracassadas das cooperativas, seja pela sua herança rural que os leva a almejar a categoria de proprietário
rural. Elementos da economia moral demonstram que esses assentados criam novos laços de sociabilidade e conseqüentemente um mecanismo de permanência na terra.

Referências

ABRAMOVAY, R. Paradigmas do Capitalismo Agrário em Questão. 2ª ed.

Campinas: Ed. Unicamp, 1998.

BARONE, L.A. Conflito e Cooperação: o jogo das racionalidades sociais e o

campo político num assentamento de reforma agrária. 2002. Tese (Doutorado em Sociologia). FCL - UNESP, Araraquara/SP, 2002.

______. A economia moral num mundo de agricultura modernizada: o caso da greve dos bóias-frias em Guariba. Retratos de Assentamentos, Araraquara/SP, ano V, n.7, Nupedor/Unesp, p.103-123, 1999.

BRANDÃO, C.R. Pesquisa Participante. São Paulo: Editora Brasiliense, 1999.

CANDIDO, A. Os Parceiros do Rio Bonito. 10ª Ed. São Paulo: Ed. 34 e Duas Cidades, 2003.

CHAIANOV, A.V. La organizacion de la unidad económica campesina.

Buenos Aires: Ed. Nueva Vision, 1974.

COSTA, S.A.C. O processo de luta pela terra e a construção da identidade e do modo de vida dos sem-terra. Retratos de Assentamentos, Araraquara/SP, n.9, Nupedor/Uniara/CNPq, p.175-193, 2004.

D'INCAO, M.C.; ROY, G. Nós Cidadãos. São Paulo: Paz e Terra, 1995.

FAVARETO, A. Paradigmas do Desenvolvimento Agrário em Questão. São Paulo: Ed. Iglu-Fapesp, 2007.

FERNANDES, B.M.; RAMALHO, C.B. Luta pela terra e desenvolvimento rural no Pontal do Paranapanema - SP. Revista de Estudos Avançados, São Paulo, v.15, p.239-254, 2001.

FERRANTE, V.L.S.B.; BARONE, L.A. Assentamentos Rurais e Poder

Local: os rumos da descentralização da reforma agrária. Araraquara/SP:

Mimeo, 2002.

FERRANTE, V.L.S.B. Itinerário de pesquisa em assentamentos rurais:

inesgotável aventura sociológica. Retratos de Assentamentos, Araraquara/SP, n.7, Nupedor/Unesp, p.11-60, 1999.

_______. As canas nos assentamentos: os nós desta polêmica. III jornada de Estudos em Assentamentos Rurais, 2007, Feagri/Unicamp, Campinas. In: Anais..., Campinas, 2007.

FERRANTE, V.L.S.B.; BARONE, L.A.; MACIEL, M.C. Associativismo

como estratégia de ressocialização e gestão dos assentamentos rurais em São Paulo. Retratos de Assentamentos, Araraquara/SP, n.11, Nupedor/Uniara, p.45-69, 2008.

GRAZIANO da SILVA, J. O Novo Rural Brasileiro. Campinas: IE/

UNICAMP, 1999.

LEITE, J.F. A Ocupação no Pontal do Paranapanema. São Paulo: Ed. Hucitec, 1998.

LÊNIN, V.I. O Desenvolvimento do Capitalismo na Rússia. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

LOPES, D.L. Diário de Campo: o registro da reconstrução. In: WHITAKER, D.C.A. Sociologia Rural. Questões metodológicas emergentes. Presidente Venceslau - SP: Ed. Letras à Margem, 2002. p.135-142.

MACIEL, M. Igrejas e Assentamentos. Retratos de Assentamentos,

Araraquara/SP, n.7, Nupedor/Unesp, p.125-142, 1999.

______. As guardiãs da religião. In: Retratos de Assentamentos, Araraquara/SP, n.9, Nupedor/Uniara/CNPq, p. 167 - 173, 2004.

MARTINS, J. de S. Reforma Agrária: o impossível diálogo. São Paulo:

Edusp, 2004.

______. O Poder do Atraso. São Paulo: Editora HUCITEC, 1994.

______. Sujeito Oculto. Porto Alegre/RS: UFRGS, 2003.

MEDEIROS, L.S. Reforma Agrária no Brasil: História e atualidade da luta

pela terra. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo, 2003.

______. Movimentos Sociais, Disputas Políticas e Reforma Agrária de

Mercado no Brasil. Rio de Janeiro: UNRISD e Ed. Universidade Rural, 2002.

MELO, E.J. Questão Ambiental, Reforma Agrária e Luta pela Terra:

ocupação irregular da fazenda florestal lagoinha e os assentamentos de Presidente Epitácio. 2007. Monografia (Bacharelado em Geografia). FCT/Unesp, Presidente Prudente, 2007.

MIOR, L.C. Agricultores Familiares, Agroindústrias e Redes de

Desenvolvimento Rural. Chapecó: Ed. Argos, 2005.

MOURA, J.A. A luta pela terra sob o olhar dos que lutam pela terra:

movimento e representações sociais no Pontal do Paranapanema. 2005.

Monografia (Bacharelado em Geografia). FCT/Unesp, Presidente Prudente, 2005.

NEVES, F. de C. Economia Moral X Moral Econômica, n.16, p.39-57.

PUC-SP, Fevereiro de 1998.

OLIVEIRA, A.U. A longa marcha do campesinato brasileiro. Dossiê

desenvolvimento rural. Revista Estudos Avançados, São Paulo, USP, p.185- 286, 2001.

PESSOA, J. de M. A Revanche Camponesa. Goiânia: Editora UFG, 1999.

POKER, J.G.A.B. A Prática da Vida e os Desencontros da Libertação. 1994. Dissertação (Mestrado em Sociologia). FFLCH/USP, São Paulo, 1994.

PRADO JR., C. A Questão Agrária. 5ª Ed. São Paulo: Ed. Brasiliense, 2000.

QUEIROZ, M.I.P. O Campesinato Brasileiro. São Paulo: Edusp, 1973.

SIMONETTI, M.C.L. A Longa Caminhada - a (re)construção do território

camponês em Promissão. 1999. Tese (Doutorado em Sociologia). FFLCH/USP, São Paulo, 1999.

WEBER, M. Tipos de relação comunitária e de relação associativa em seus aspectos econômicos. In: WEBER, M. Economia e Sociedade. v.01. Brasília: Editora UnB, 2004.

WHITAKER, D.C.A. Sociologia Rural. Questões metodológicas emergentes. Presidente Venceslau/SP: Ed. Letras à Margem, 2002.

Publicado

2009-07-14

Edição

Seção

Artigos Originais